A alegria é retirada de Elizabete da Vila Martins.

Aquele dia 11 de dezembro de 1995 foi o começou de um tempo de tristeza na vida daquela garota, assim como seu último dia de liberdade por um ano. Elizabete Alves, a Betinha, garota que vivia nas sombras onde risos eram animados por drogas e bebidas.

Ela era a sombra que ocultava toda luz, era ela quem metia medo e levava terror, e é estranho pensar como as coisas mudaram de uma hora para outra. Como ela perdeu as rédeas da situação, seus amigos, seu amor, e sua liberdade. Tudo em apenas um dia.

Ao ver seu companheiro sair da cadeia deixando-a para trás ela não teve dúvidas, e contou tudo o que os policiais gostariam de saber:

Ela, Renato Martins Leite (Xuxa), Roberto Dias (Peninha), e dois garotos (digamos que) Saulo Eduardo e Muniz Adalberto, estavam em casa de Zileide Honorato (Zuleika), quando começaram a discutir sobre dinheiro e sobre uma cédula de identidade de Renato, que Peninha teria entregado à polícia. Zuleika ao ver que a coisa esquentava colocou-os para fora de sua casa, pois não queria confusão por lá. Eles saíram e foram na direção das casas da construtora Argon, próximo de onde morava Saulo Eduardo, e no caminho deram umas coronhadas nele. Depois de apanhar um pouco o garoto colaborou e mostrou onde estava o dinheiro que havia roubado do depósito de bebidas da Cidade Nova. Na realidade Renato não queria a grana para si, só pretendia que Peninha e Saulo entregassem a parte do dinheiro roubado para Adalberto, que teria saído do roubo sem levar nada. Adalberto e Saulo foram pegar a grana na casa; e ela, Peninha e Renato seguiram para a casa de Peninha para resolver o problema do documento. Ela resolveu ir embora, mas não deu tempo, ouviu um estampido que quase a deixou surda e em seguida Renato a pegou pela mão e começaram a correr.

Naquela noite o GCM Hélio acabou encontrando a ela e ao Renato e levado ao distrito policial, e por lá ficou, pois já era foragida da justiça. Tudo o que trazia alegria a sua vida foi lhe tirado naquele dia. A confiança que tinha em seus amigos, o agito das correrias, as festas, tudo foi desaparecendo a partir desde esse dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos, e saber a sua opinião.

Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto.

Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

última publicação:

A imprensa e o Primer Comando de la Capital

Bordoada seca em mim, que não deveria merecer Ninguém sente mais pena que eu sinto de você, que padece lendo este artigo. Ninguém sofre ...