ARQUIVO POR ASSUNTO

Mostrar mais

ARQUIVO POR DATA

Mostrar mais

Os policiais não acreditam mais nos cidadãos.

Carnaval na Cidade Nova em Itu, porque não? O osasquense Marcelo de Agrela morador do Jardim Solange na cidade de Sorocaba estava a fim de curtir a noite. Vinte e poucos anos é tudo de bom – energia sem fim!!!

Já tinha ido até Votorantim aproveitar a festa da cidade, mas o agito do Carnaval de Itu era dele conhecido. De lá era só um pulinho até aqui, e afinal, quem quer vida e agito não pode deixar de curtir a famosa Avenida da Cidade Nova (A). O rapaz seguiu com seu gol 94 azul – é apenas meia hora por uma boa auto-estrada. Dois palitos e chegou. A noite promete, lá sempre promete.

23 de fevereiro – 23h

Valeu à pena, a Avenida estava lotada. Era só achar um lugar para estacionar. Problema: caso deixasse o carro muito longe era fácil ficar sem o carro, mas ficando muito perto... bom, também era. Longe ou perto, o Gol é o carro preferido pelos bandidos no furto de veículos em Itu. Escolheu o lugar a dedo, era ali, naquela rua cheia de carros. A noite promete, lá sempre promete.

Marcelo estava com um colega e ambos deixam seus celulares no veículo. Tomando todo cuidado é fácil dançar no carnaval e, não seriam eles que seriam pegos de calças curtas. Curtir sim, mas arriscar prá quê?

24 de fevereiro – 1h 40m

O vigilante da assomeba Eduardo Peres Garcia passou com a viatura e estranhou aquele carro parado ali: aberto, som ligado e ninguém dentro. A Rua Carnaubeira (B) no bairro Portela Aberto é um lugar tranqüilo onde em geral nada acontece. Aquele Gol azul com placas de Sorocaba estava destoando – gritava que tinha algo errado.

Eduardo passa ao lado do veículo, segue até a esquina, manobra e volta. Uma pessoa estava caída no chão: próxima ao muro, poucos metros a frente do veículo. Disca 190 e em poucos minutos chega uma viatura da Polícia Militar. Ao se dirigirem ao indivíduo notam que o jovem está visivelmente embriagado, mas tinha algo de errado.

Era o portofelicense Jair Cincílio que dizia aos agentes de segurança que apenas passava pelo local e acabou dormindo. Simples mas verdadeiro. Aquele carro não tinha nada a ver com ele. A que ponto chegou a humanidade, triste tempo é este em que o homem não acredita na palavra de um outro homem. Isto sim está errado.

Jair estava com dois celulares: um dele e outro de um colega que havia deixado com ele. Mas os policiais não acreditaram também – mais falta de fé! Novas perguntas – mas os policiais não queriam entender suas explicações. Um molho de chaves, ora era apenas um molho de chaves. Tá certo que tinham muitas chaves, mas o que tinha de errado?

24 de fevereiro – primeiras horas da manhã

Jair estava mentindo. Marcelo reconhece seu carro e os celulares, furtados por volta das 23:40. Jair estava preso. Sua advogada Drª. Andréa de Fátima Camargo tentou convencer a juíza que ninguém o viu furtando, havia apenas evidências, e que se havia cometido o delito, foi sob a ação do álcool, mas nada colou, e seu nome foi lançado no rol dos culpados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

Cartilha do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

Dicionário - Regimento Disciplinar PCC

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Como se faz para entrar como membro do PCC.