ARQUIVO POR ASSUNTO

Mostrar mais

ARQUIVO POR DATA

Mostrar mais

Juíza resolve problema de moradia de garota.


Diz que deu, diz que dá, diz que Deus dará, não vou duvidar. E se Deus não dá, como é que vai ficar? Só por Deus, o que ela estava fazendo ali? Como chegou naquela situação? Será que um dia foi melhor? Teve em algum momento esperança, de outro futuro se não aquele?

Ela acredita piamente em Deus, mas ele só pode ser um cara gozador, que adora brincadeira, pois tinha o mundo inteiro para jogá-la, mas achou muito engraçado botá-la na barriga da miséria, na Favela do Isaac em Itu, e por isso agora os homens queriam condená-la.

Mônica Aparecida Della Paschoa é apenas uma das garotas de programa que atuam por ali. Não bastou ter sido tão mal alojada, tão mal vestida, tão mal alimentada durante toda sua vida, nascendo sem estrutura econômica e familiar, entre enganadoras esperanças e de sofrimentos reais. Seu corpo não se formou, se degradou, assim como sua alma que foi tomada pelos vícios da sociedade.

Da peste e da escória humana recolhe seu sustento, e se alimentando dos frutos do lixo ituano ― envenenou-se. Seu pálido brilho é suficiente para encantar alguns daqueles que se escondem nas sombras do submundo, sob o Império de Bola de Fogo, que tem a “sintonia geral” garantida pelo PCC - Primeiro Comando da Capital.

Segunda-feira, 11 de Janeiro de 2010, aos 48 minutos da madrugada.

Mônica pediu para as guardas municipais que foram revistá-la para que a levassem até um lugar mais reservado, não queria passar carão ali na frente de todos. GCM Surian foi quem solicitou a presença da guarnição feminina para a revista-la e as outras garotas.

Em uma viela próxima a GCM Ana Maria a revistou encontrando em sua calcinha vinte e duas porções de maconha em um plástico azul. A garota diz às guardas femininas que tem mais em sua residência. Vão até lá e a GCM Rosemary recolhe três porções de crack embaladas em papel alumínio e um cigarro parcialmente consumido.

A máquina de repressão ao tráfico começa a andar. O delegado Dr. Antônio Carlos Padilha prende Mônica, o promotor de justiça Dr. Luiz Carlos Ormeleze declarou que “...a quantidade e a forma de acondicionamento das substâncias apreendidas, o local e as condições em que a ação se desenvolveu, as condições sociais e pessoal, bem como a conduta da agente revelam a intenção de traficância.”
Mônica tenta explicar, que não á nada daquilo... muita gente... ela se lembra que tinha muita gente... todos bebendo, todos usando drogas. Assim é a noite na Favela do Issac, assim é a vida que ela conhece. Risos, brigas, drogas. Todos estavam lá. Ela ganhou dinheiro, faz programas, faz limpeza em casas, e comprou um pouco de droga. Um pouco, o resto ela achou no chão e guardou com ela, se o dono aparecesse ela devolveria, se não ela vendia. Mas ela achou, mas se deu assim, ela diz assim que se deu. O que ela estava fazendo ali? Como chegou naquela situação? Será que um dia foi melhor?

Seu advogado Dr. Aldo Ribeiro da Silva afirma que aquelas drogas eram apenas para seu uso, pois ela costumava mesclá-los, inclusive com bebidas alcoólicas. Lembra inclusive às claras e objetivas afirmações das Guardas Civis Municipais: apenas encontraram com ela as drogas, nada sabendo sobre comercialização ou a associação.

O local é de fato conhecido como ponto de drogas, mas ora, ela não escolheu viver ali, ela teve que morar lá, é sua residência, pode ser Mônica condenada por ter sido lançada na miserabilidade, padecer sob uma pena gravíssima imputada ao tráfico, um crime considerado hediondo?

Mônica acredita piamente em Deus, mas ele só pode ser um cara gozador, que adora brincadeira, pois de uma hora para outra fez com que seu defensor fosse substituído pela Dra. Adriana Dini Schimm Elpfeng, que abandonou o tom suplicante do Dr. Aldo e passou a buscar nulidades técnicas ― que foram uma a uma derrubadas pelo promotor de justiça e pela juíza.

Tenta ainda Dr. Adriana escudar-se no testemunho de duas garotas, Aline Ribeiro dos Santos e Natalina Aparecida de Souza Carvalho, que com ela trabalhavam e com o cliente que teria comprado às drogas para ela, um tal de Salvador, não apareceu para fazer sua parte. Tudo em vão.

Assim como Mônica, sou temente a Deus, nosso Salvador, e tocado pelas palavras de Dr. Aldo vejo quão justa foi a sentença de Drª. Andrea Ribeiro Borges. Esta magistrada deu uma oportunidade para que a garota viva em melhores condições de vida pelo período de dois anos e seis meses, com alimentação digna, sem ter necessidade de prostituir-se ou passar por mais humilhações da vida em liberdade.

Comentários

  1. A pergunta que faço hoje é:-Sera que colocando uma pessoa dependente quimica e tambem de alcool, aprisiona-lá no sistema é uma forma de ajuda-la?
    Claro que não, apesar desse sofrimento a mesma não passa de vitma da propria sociedade e dos governates, hoje vemos a pobreza de uma forma que outras pessoas não vem e ainda dizem o que eu tenho com isso?-temos muito a ver com isso, essa realidade de vida faz com que muitas entre infelismente na vida do crime, sei bem que vária de pessoa pra pessoa mais não vejo o sistema prisional cuidando da fome, dando um teto para aquele(a) infeliz e depois que esta mesmo vier a sair daquele mundo horrível onde mais irremos joga-la, obvio que outra vez no mesmo mundo de onde ela veio, até mesmo porque foi o único lugar que ela conheceu e nimguem e nem esta juiza irá dizer : oi moça foi que ti condenei e sabendo que você não tem onde morrar eu não quero vê-la nas ruas outra vez então arrumei um lugar pra você trabalhar e também pra descansar, não isso não vai acontecer nossa realidade de vida esta longe de mudar devido ao sistema que não prende quem o grande dono daquela droga maldita que só distroi pessoas cada vez mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um dia quem sabe, esta burra política de ficar tentando tampar o Sol com a peneira acabe. A polícia hoje existe para secar gelo, e as pessoas são tratadas como gado. Não que os juízes, policiais, médicos, e tantos outros profissionais não queiram agir com mais humanidade, mas sim por haver um sistema montado para que o crime e as drogas sejam sempre um problema e fique sempre na mídia... enquanto isso político, funcionários públicos de alto escalão e empresários fazem a festa e nunca são punidos.

      Ontem publiquei um texto sobre o GAECO, que agora também vai deixar de perseguir (como prioridade) os criminosos de colarinho branco para se dedicarem ao tráfico de drogas. Mais um!!! ( http://www.aconteceuemitu.net/2012/03/qual-razao-do-gaeco-se-focar-no-pcc.html )

      Mas a solução de verdade eles não querem encontrar.

      Excluir
  2. Concordo com você, mais fico furioso com tanta realidade da vida onde tantos têm e muitos poucos têm... Obrigada pela sua resposta e detalhe não critico os profissionais que exercem o seu trabalho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos, e saber a sua opinião.

Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto.

Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

Cartilha do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

Dicionário - Regimento Disciplinar PCC

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Como se faz para entrar como membro do PCC.