ARQUIVO POR ASSUNTO

Mostrar mais

ARQUIVO POR DATA

Mostrar mais

Menino assiste estarrecido o julgamento do pai.

Quando eu era pequeno às vezes ouvíamos casos de pais de colegas nossos que teriam sido presos. Era sempre igual, não adiantava perguntar para nossos amigos, filhos de detentos onde estava o pai. Invariavelmente vinha a resposta: viajando.

Nossos amigos não mentiam para nós, acreditavam sinceramente que seus pais estivessem viajando, seja lá a trabalho ou visitando algum parente. As mães não diziam jamais que eles eram filhos de bandidos ou presidiários.

Veio a política de humanização dos presídios e com ele o costume de levar as crianças para dentro dos cárceres, afinal os pais têm todo o direito de ver seus rebentos queridos e vice-versa. Com isso criamos a cultura do crime.

O Dr. José Maria de Oliveira chamou de lado aquela família e pediu para que tirasse do plenário do Júri o garoto cujo pai seria julgado aquele dia. Qual o quê? Os parentes exigiram o sacrossanto direito de o menino ver o pai.

Será uma lembrança que aquela criança levará para o resto de sua vida. Marcelo Lima, seu pai, um criminoso reconhecido, condenado por vários crimes ouviu do promotor de justiça, Dr. Luiz Carlos Ormeleze desfilar toda a sua vida pregressa, seu envolvimento com o PCC, seu relacionamento conturbado e sua participação no crime. Seu rebento também acompanhou a tudo com olhos arregalados, sob a guarda de seus entes queridos que deveriam tê-lo poupado de tudo isso.

Se alguém tentasse tirar novamente o garoto no mínimo apelariam a força da Lei, feita por pessoas covardes que temem aos prisioneiros e não respeitam o direito mais fundamental da infância: a inocência.

É triste vermos crianças passando os vexames que nem um adulto deveria passar, e é por isso que milhares de crianças passam todos os finais de semana para satisfazer os desejos sádicos de criminosos sem escrúpulos e parentes sem escrupulos. Sem as humilhantes revistas impostas às crianças a situação ficaria ainda pior, pois em suas partes íntimas por vezes são enfiados os objetos de desejos dos prisioneiros: drogas e chips...

Mas imaginem privar os detentos de um momento tão em família. Marcelo Lima, durante um intervalo pede aos policiais militares que faziam sua escolta que peçam ao juiz a retirada de seu filho do plenário. Só com a intervenção do magistrado é que a família retirou o garoto, mas era tarde, ele já tinha ouvido a tudo, e Deus queira que pelo menos sirva de exemplo para que outros casos não voltem a ocorrer.

A prisão de Marcelo se deu baseado nas informações colhidas pelo guarda civil municipal GCM Rosival e de uma testemunha que só se apresentou na delegacia e depois nunca mais foi encontrada. Enzo Roberto Osti e Maria Auxiliadora Fernandes contaram também o que sabiam do crime, mas pouco esclareceram.

A versão contada pelo Dr. Ormeleze no júri foi a de que Marcelo Lima e Cleber de Carvalho, conhecido por Biu, pertenciam ao mundo do crime, à mesma facção criminosa (PCC), mas não se aceitavam, viviam em atrito e um prometia matar o outro. Marcelo Lima não esperou para ver.

Após Biu ter dito que mataria ao rival na frente de seu filho, Marcelo apareceu com mais dois rapazes na Rua Lençóis Paulista 43, no bairro Cidade Nova, na cidade de Itu, arrebentou a porta e arrastaram para fora Biu. Ainda sendo puxado levou dois tiros, após o que teve seu corpo jogado por cima de um muro, caindo por quase seis metros, até o local onde foi encontrado morto pelo GCM Rosival, minutos após o crime ter sido cometido.

Seu defensor, o advogado criminalista Dr. José Maria de Oliveira tentou quatro teses para sua defesa, mas os jurados não se comoveram com os argumentos do defensor e o réu foi condenado com tudo o que tinha direito, doze anos de detenção, mas que pelas contas do promotor significa exatamente nada. Afinal ele está preso aguardando o julgamento há dois anos... hum sexto de doze anos é dois anos... pronto, já vai para o regime semi-aberto e em mais dois anos estará na rua, a menos que tenha que pagar por outros crimes que tenha cometido.

Neste caso quem sofreu a pena mais longa foi o garoto, que terá para sempre a lembrança de tudo o que ouviu a respeito de seu pai e seu herói. Por sinal, o pessoal dos direitos carcerários manda lembrança e um salve para o irmãozinho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

Cartilha do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

Dicionário - Regimento Disciplinar PCC

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Como se faz para entrar como membro do PCC.