Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

ARQUIVO POR ASSUNTO

Mostrar mais

Flanelões de Itu disputam pontos à bala.

Imagem
Manhã de domingo, saio eu da feira do Mercado Municipal de Itu, e vejo um homem encostado ao poste. A idade não me permitiu distinguir ao longe quem era, mas sabia ser um guardador de carros, pronto para extorquir.

Poucos sabem o sórdido e violento mundo em que vivem estes flanelões ituanos, defendidos por danas da decência, que não tem coragem de enfrentá-los, e imaginam que eles precisem de sua proteção contra as autoridades e demais cidadãos.

Poucos imaginam que os pontos de mendicância em Itu são disputados na ponta de faca e na mira das armas. Cada trecho do centro tem seu preço, que pode ser vendido, trocado, ou alugado, com pagamento feito em drogas ou dinheiro.

Há alguns anos, a Guarda Municipal, enfrentou estas damas da sociedade (em geral homens) que intervinham quando os guardas importunavam as crianças que guardavam carros, mas graças à persistência da GCM elas deixaram de mendigar naqueles recantos.

Quando a Guarda Civil Municipal tentou enfrentar os flanelões, a socieda…

Deixaram os carros no estacionamento e foram multados.

Imagem
Nas últimas semanas tenho visto diversos casos de pessoas que nunca estiveram nas mãos da Justiça sentarem-se no banco dos réus. Uma empresária com negócio bastante lucrativo furtou algumas peças de roupa de baixo valor; um gerente de uma antiga e consolidada empresa furtou dois cones de sinalização; e outros casos deste naipe.

Pessoas comuns enfrentando por pequenos deslizes processos judiciais. Prova que nenhum de nós esta realmente livre de um dia passar por este constrangimento. Se alguma das pessoas que citei acima tivesse lido há um mês estas linhas que agora escrevo, provavelmente diriam que eu estaria errado, e que com elas jamais aconteceria.

Não é, no entanto o caso que irei relatar aqui hoje. Dois estudantes da CEUNSP ficaram surpresos ao saberem que seus veículos haviam sido multados naquele dia chuvoso, e tudo por falta de um pouco de bom senso e cortesia. No Brasil falta de educação pode não ser crime, mas gera multa.

Terça-feira, 6 de abril de 2010. 9h50 Praça Regente Fe…

Cátedra Indignada - Lázaro José Piunti

Imagem
Chega-nos a notícia do espancamento de um professor em sala de aula na quartocentenária Itu.

O episódio - triste e desumano - nos remete à frase lapidar do insígne Rui Barbosa:

"Quando os epigramas dos alunos atingem a cátedra dos mestres...".
O pior é que nestes tempos, não são simplesmente os impropérios que estão constrangendo os professores.

É simplesmente a violência desmedida, a agressão inconsequente, o gesto irascível, que rompem os limites do bom senso e derrubam paradígmas.

Pobre Rui.

Por muito menos, foi malbaratado, destruido politicamente, avacalhado pelos oportunistas da República Velha.

Com isto, perdeu o Brasil, por jamais tê-lo feito Presidente.

Os atos de rebeldia e desfaçatez dos jovens aprendizes (aprendizes de que?), são o reflexo de uma sociedade que viu apodrecer as instituições. E seu povo, apático, não reage.

Bem sentenciou o extraordinário Vitor Hugo:
"Uma sociedade de ovelhas, acaba gerando um governo de lobos"!
Lázaro Piunti advogado e escrit…

Motorista é preso com CNH em branco em biqueira.

Imagem
Quando mais aquele jovem se afundava na lama, mais fundo percebia que podia chegar, e naquele dia viu quem buscava salvá-lo podia mandá-lo ainda mais para fundo.

Aquele jovem freqüentava aquele antro e pouco a pouco foi se aprofundando na cova. A cada dia novos amigos lhe davam força para ir mais fundo e mais longe de um ponto onde poderia voltar, mas não sentia ele o sinistro daquela força.

Nenhum pai quer ver seu filho perder-se, e o ituano Ademir Rodrigues de Castro Júnior já havia percorrido este caminho que agora estava sendo trilhado pelo filho, ajudado por aquelas mesmas mãos amigas que já o haviam no passado lhe guiado para cada vez mais longe.

Aquele jovem freqüentava aquele antro e pouco a pouco foi explorando aquela caverna profunda. A escuridão sem fim do lugar refletia seus pensamentos, a umidade deixava o ar gelado e aconchegante. Lá os problemas de fora não podiam tocá-lo.

Nenhum bando de miseráveis iria levar o filho de Ademir para longe de sua família. Há quatro dias…

O Pla-boy do São Judas e a convicção do delegado.

Alguém twittou: "quem tem seguidores é seita, tenho amigos". Discordei, pois um amigo vence as barreiras do tempo e das dificuldades da vida para estar ao seu lado e ninguém tem mil e quinhentos amigos, tem: seguidores, conhecidos, colegas ou inscritos.

Cristo não tinha amigos, haviam doze seguidores, escolhidos a dedo por ele, e entre eles houve um traidor. Dos seguidores angariados pelo twitteiro, será que ao menos um enfrentaria as barreiras do tempo e das dificuldades da vida para estar ao seu lado?

Recebi a semana passada a visita de um amigo, Auguste Dupin, que quem o conhece sabe as dificuldades que ele deve ter enfrentado para vir me visitar. Não creio que nem eu mesmo o faria pelos meus melhores amigos.

Estava na DELPOL de Itu quando ele chegou, fui resolver um problema cotidiano. Havia perdido o talão de cheques e resolvi registrar o fato antes que um gaiato me levasse para o buraco, mas o funcionário informou que o documento poderia ser tirado pela internet (nest…

A grande fuga do pequeno criminoso.

Imagem
O comerciante novondradinense Ivanilson da Silva parou seu caminhão contendo frutas e verduras na Avenida Ernesto Fávero. Na manhã seguinte começaria a distribuição pelo bairro Rancho Grande.

Sexta-feira, 5 de março de 2010. 00:50
Rua dos Expedicionários 35, Vila Leis, Itu, SP.

Estando ele mais próximo agora do caminhão, viu com clareza o movimento vindo da boléia. O rapaz que lá estava olhou para fora e viu o motoqueiro a observá-lo. Pego em flagrante, tentou escapar por entre os telhados e muros mal iluminados. O servente Bruno Ricardo Brito Franque, morador do bairro Itaim, não consegue driblar o vigilante da rua Marivaldo Teotônio da Silva, um caraibense arretado.

A Guarda Civil Municipal foi chamada para a perseguição.
Exibir mapa ampliado

Bruno pulou o muro do estádio, foi pulando nos telados das casas até cair de um muro, machucando a boca e o joelho, e quando estava no quintal de um escritório de contabilidade foi abordado pelo GCM Alexandre. O rapaz ainda jogou a pochete contend…

O presente do Dr. Gazzola e a "Gang dos Manos".

Imagem
Há alguns meses atrás, entrou todo empertigado o Dr. Aluisio Francisco Gazzola seguido do promotor de justiça Dr. Alexandre Augusto Ricci de Souza no gabinete da Drª. Juliana Moraes Bicudo. O primeiro na condição de advogado decano da comarca e o segundo representando o Ministério Público de Itu.

A missão de ambos era homenagear a jovem magistrada que assumia interinamente a 1ª Vara Criminal da Comarca no lugar da Drª Andrea Ribeiro Borges - em férias.

Não sei se de fato a Drª. Juliana foi a mais jovem a assumir um magistério ou se Dr. Gazola se impressionou com a jovialidade e simpatia da meritíssima juíza, o que sei é que o presente escolhido para marcar o acontecimento foi o livro “Itu 400 Anos” do Prof. Roberto Machado Carvalho.

Também sei que naquele livro não estava escrito a história que o promotor de justiça Dr. Luiz Carlos Ormeleze contou a ela na tarde desta quinta-feira, 23 de Setembro de 2010, sobre um dos períodos mais negros da história da cidade de Itu: o tempo da Gang…

Não pagou em dinheiro mas pagou com a vida.

Imagem
Foi como se tivesse morrido – enfim podia sentir um pouco de paz. Sentimento este que a muito lhe fora tirado por aquela família que agora o acusava, justo a ele que tinha sido em verdade vítima, mas agora tudo estava resolvido. Voltaria para o inferno pagar a pena que a sociedade lhe impunha, mas não pensaria mais naquilo.
Há quase dez anos vendeu seu caminhão para João de Oliveira, ambos eram moradores do Bairro Cidade Nova em Itu. Ficou satisfeito ao fechar o negócio e receber aqueles cheques. Alegria injustificada, pois todos eram sem fundo. Fora logrado, enganado, enrolado...

Meses se passaram e uma desculpa substituía outra, até que João de Oliveira disse a ele que não pagaria e que ele buscasse seus direitos. Sidnei Vigatto não aceitou, sabia ele que no Brasil dívida acaba em pizza, graças a uma legislação benesse ao inadimplente.

Começou a cobrar ao João e mandava recados a ele por sua esposa Terezinha Scalafi de Oliveira, mas nem esperança de ver seu dinheiro. Ao contrário …