Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2017

ARQUIVO POR ASSUNTO

Mostrar mais

PCC: grupo terrorista ou organização criminosa?

Imagem
Você e eu já sabemos a resposta à pergunta: “O Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) é uma organização terrorista ou uma facção criminosa?” — a resposta está na ponta da língua: eles são criminosos. É incrível, mas tem gente que não entende isso, como é o caso do sueco Michael Fredholm.

Fredholm acha que entende das coisas só porque é um analista militar e historiador, especialista em estratégias de defesa, política de segurança internacional, tendo feito estudos profundos sobre a geopolítica da Eurásia, o extremismo islâmico, as causas e as estratégias de defesa para combater o terrorismo, isso tudo e muito mais.

Eu e você sabemos a resposta, e ele, com todo o estudo que fez, ainda tem dúvidas sobre se o PCC é ou não um grupo terrorista. Eu sei que ele não sabe porque deixou essa dúvida clara no livro Transnational Organized Crime and Jihadist Terrorism: Russian-Speaking Networks in Western Europe (Contemporary Terrorism Studies).

Ele conta que entre os especialistas “atualmente, …

A Umbanda, o Candomblé, e a facção paulista PCC

Imagem
Talvez, você possa me entender, mesmo que não faça parte de nenhuma organização criminosa. É difícil explicar uma sensação, mas se você já esteve em um estádio lotado em uma final de campeonato, você já sentiu algo parecido com o que se sente quando se está num pátio de uma penitenciária com dezenas ou centenas de homens a gritar:
“Se Deus é por nós, quem será contra nós? Por que Ele é justo!” - a lembrança me arrepia até hoje. A socióloga Camila Nunes Dias afirmou que a facção paulista é conservadora e homofóbica, e esse é um dos casos no qual uma verdade esconde uma acusação falsa. A também socióloga Carla Cristina Garcia demonstrou que não é a facção que é conservadora e homofóbica, mas sim a sociedade brasileira. Isso mesmo: eu, você e as duas também estamos incluídos.
Claro que eu não sou, e nem você é; só os outros que não estão me lendo são. Há alguns dias um vídeo circulou com a chamada “PCC destrói templo de Candomblé”, só que ele mostra membros do Terceiro Comando Puro (TCP)

O Primeiro Comando da Capital aceita gays? LGBTPCC

Imagem
Não passa uma semana sem que me perguntem sobre a visão de dentro da facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) sobre a questão dos homosexuais. Sim, homosexuais ou bichas, se bem que, talvez, o politicamente correto fosse LGBTQIA+, mas os PCCs não se preocupam com o politicamente correto.

Ao contrário do que afirmam por aí, o Estatuto do PCC não proíbe homosexuais:
“6 Item: O comando não admite entre seus integrantes, estupradores, pedófilos, caguetas, aqueles que extorquem, invejam, e caluniam, e os que não respeitam a ética do crime.”Meninas e meninos, não joguem as purpurinas ainda.
O comportamento dos membros da facção é especificado no Dicionário, que é como o Regimento Disciplinar de uma organização militar, e lá o buraco fica mais em baixo:
“33. Mau exemplo: Fica caracterizado quando o integrante foge do que rege a nossa disciplina, não passando uma imagem nítida da organização, quando não se coloca como faccionário diante da massa, desrespeitando e agindo totalme…

PCC 1533 — Dados confiáveis em espanhol e inglês

Imagem
O português João Pereira Coutinho, essa semana, começou sua crônica afirmando que:

“Os defensores dos ‘direitos’ dos animais sempre tiveram um problema: como sentir empatia por criaturas que não fazem parte da nossa paisagem humana?”

Sim, é verdade, posso sentir empatia por um cão ou por um gato, animais que fazem parte da paisagem humana, mas não por seres como ratos e pulgas. E é sobre esses seres que Coutinho desenvolve seu texto — ou melhor, sobre os defensores desses bichos, se é que pulga é um bicho.

Como humanizar aqueles seres que não ficam próximos a nós, e que nos trazem ojeriza? Coutinho chega a perguntar:

“Mas, aqui entre nós, quem estaria disposto a defender publicamente os direitos das ratazanas — sim, ratazanas infectas e repulsivas? [...] As ratazanas vieram para a rua. Passeiam impunemente pelas calçadas.”

Bem, mas não estamos aqui para escrever sobre ratos e pulgas. Voltemos ao nosso tema.

Por algum tempo o governo negou até sua existência, e outro dia, quando fui…

Bauman, o PCC, o GDE e a pacificação do Serviluz

Imagem
O professor Diorgeres Victorio, colaborador do site Canal Ciências Criminais, lembrou-me que, há pouco tempo, a parceria do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) com o Comando Vermelho tinha lugar de destaque em seu estatuto:
“16. [...] Em coligação com o Comando Vermelho - CV e PCC iremos revolucionar o país de dentro das prisões e o nosso braço armado será o Terror 'dos Poderosos' opressores e tiranos [...]”
E agora, emitem um comunicado declarando que “viemos deixar claro que não temos e nunca teremos nenhum tipo de aliança com Comando Vermelho, não existe a mínima chance de uma coisa dessas acontecer.”

Para quem quer entender um pouco mais sobre isso e como o crime organizado influiu na pacificação da periferia de Fortaleza: Marcado para Morrer: moralidades e socialidades das crianças na comunidade do Serviluz, de Deiziane Pinheiro Aguiar, apresentado ao Programa de Pós-graduação em Sociologia, da Universidade Federal do Ceará.


Aguiar entrevista moradores e pessoas que …

Metodologia para o combate ao crime organizado

Imagem
Vou propor um tema para ser estudado pelos acadêmicos: como o fenômeno Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) atrai pesquisadores dos diversos segmentos da ciência de maneira diversa em cada país?

Eu leio em torno de vinte trabalhos acadêmicos por mês, publicados nos mais diversos países e línguas que tratam ou citam o Primeiro Comando da Capital. Chama a atenção o fato de que, no Brasil, esses estudos são produzidos por sociólogos, psicólogos, antropólogos, pedagogos e até por teólogos.

Sendo o PCC uma organização criminosa transnacional, não seria natural que quem estudasse esse assunto estivesse ligado às ciências criminais, como o direito ou a segurança pública? Li alguns trabalhos feitos no Brasil por profissionais dessas áreas, mas são poucos perto da enxurrada daqueles oriundos de outras ciências sociais.

Fora do Brasil isso não acontece: os trabalhos elaborados que citam o Primeiro Comando da Capital são ligados ao direito penal e carcerário, e no geral são brilhantes. Hoje a…

É verdade que houve um acordo entre o PCC e o CV?

Imagem
Através das redes sociais, o Primeiro Comando da Capital divulga nota desmentindo o relatório da Polícia Federal, divulgada pela UOL, que alertava para a formação de uma aliança entre as organizações criminosas PCC e CV para atacar autoridades públicas.

☯ PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL🇧🇷 ☯ NOTA ESCLARECEDORA Nós do PCC, viemos deixar claro que não temos e nunca teremos nenhum tipo de aliança com Comando Vermelho, não existe a mínima chance de uma coisa dessas acontecer.Seria fora da ética PCC fechar aliança com o Comando Vermelho, esquecendo quanta mães de famílias, crianças, irmãos de sangue, e cidadãos eles assassinaram, e também nossos eternos irmãos, heróis que lutaram na guerra e acabaram caindo em prol de melhorias para todo o crime.Sabemos que o Comando Vermelho tem aliança com a Polícia Militar, Civil, e Federal, e também com os governos e diretores de penitenciárias.Eles usam dessas alianças para tentar prejudicar nossa Família PCC 1533, sem saber que a nossa luta e a nossa ideol…

Raúl Zibechi e a evolução histórica do PCC 1533

Imagem
Você se lembra de Ganga-Zumba? Eu nunca tinha ouvido falar, mas era ele quem controlava o Quilombo dos Palmares e, quando viu que a casa ia cair, fez um acordo com a Coroa Portuguesa para evitar o massacre. Não me acuse de spoiler, você já sabe que deu errado, o sobrinho dele, chamado Zumbi, recusou o acordo e o resultado foi uma carnificina.

Zumbi virou herói da resistência contra a opressão, e ninguém se lembra do Ganga-Zumba.
Estava lendo o trabalho de Raúl Zibechi, Movimientos sociales en América Latina – El “mundo otro” en movimiento, no qual ele faz uma análise dos movimentos sociais da região, em especial os nascidos nos anos noventa – o Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) tem sua origem em 31 de agosto de 1993.



Zibechi não analisa o Primeiro Comando, mas cita os ataques feitos pela organização criminosa, definindo-os como mola propulsora da construção de uma nova forma de resistência a partir do posicionamento das Mães de Maio. Em outro trecho do trabalho, ele me fez lembr…

Aluguel de presos como escravos sexuais no Paraná

Imagem
O amanhã chegou. Bem, na realidade ele forçou a entrada, e eu percebi isso quando ouvi algo que me soou assim: “até 1995 ou 1996, o carcereiro chegava e vendia o preso por, digamos, cinco mil reais para ser escravo sexual.”

Não sei se você conhece o podcast paranaense Salvo Melhor Juízo, deThiago Hansen, Carolina de Quadros e Gustavo Favini, mas, se não, conheça. Os jovens organizadores e apresentadores “proseiam” sobre questões de direito, cidadania, vida e cultura carcerárias – conversando informalmente transmitem conhecimento profundo.

Há tempos acompanho o trabalho do trio e sempre digo a mim mesmo que “amanhã vou escrever sobre eles aqui”, mas o amanhã não chegava, sempre acontecia algo; por vezes fazia sol, outros dias chovia, e quando não acontecia nem uma coisa nem outra o tempo ficava nublado, então deixava novamente para amanhã.

Essa semana não seria diferente, até que Renato Almeida Freitas Júnior começou a contar como era a situação dentro dos presídios paranaenses, antes…

O dinheiro da caixinha do PCC depende dos líderes

Imagem
Você já recebeu uma mensagem de voz no Whatsapp que fizesse você parar e pensar? Eu recebi uma assim, há umas três semanas. Parei o que estava fazendo e repeti a gravação, vinda de dentro de um dos presídios paulistas, na voz alguém que se identificou, mas o nome e a posição dele dentro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) eu não me lembro.

Ele começou mais ou menos assim:
“Sabe qual o problema do Primeiro Comando da Capital hoje? Não tem mais liderança! Ninguém mais é líder, acabou…” – ao fundo, aquele vuco-vuco dos áudios que vem de dentro do sistema. Logo imaginei o Marcola e o Gegê ouvindo isso, e o cara não parou de falar por mais de dez minutos. O cara realmente é bom, a organização criminosa Primeiro Comando da Capital tem um líder mais preparado do que a maioria das empresas, órgãos governamentais e centros acadêmicos que eu conheço.

Depois do impacto inicial, o cara virou o jogo, sempre transmitindo forte emoção na voz que arrepiaria qualquer irmão 121