Pular para o conteúdo principal

Grande Dia!



Grande vitória! Dezenas de ações que estão correndo contra a cúpula do Primeiro Comando da Capital e seus principais operadores em todo o país terão que ser trancadas e até arquivadas, dependendo do caso.

O senador Flávio Bolsonaro conseguiu barrar na Justiça as ações que tiveram como base relatórios do COAF sobre movimentações financeiras:

"O PCC deve estar comemorando a decisão de Toffoli. O Coaf identificou movimentação de R$ 63 milhões, de novembro de 2005 a julho de 2007, 686 contas bancárias pertencentes a 748 pessos e empresas ligadas ao PCC." — procurador Helio Telho

É importante que as defesas de cada um dos irmãos ou aliados que estejam respondendo processos que se encaixem nessa modalidade que procurem a defesa pois o efeito não é automático.

Condenado por assassinato por dirigir embriagado.

O Tribunal do Júri da cidade de Itu considerou por seis votos a um que o ex-caminhoneiro Aguinaldo Rogério Saroba é culpado pela morte de José Carlos Galdino, além disso aceitou também a tese do Ministério Público que pediu sua condenação por homicídio doloso, isto é, aquele que se tem a intenção de matar, pois ao dirigir embriagado assumiu o risco de causar o acidente.

Na Rodovia Castelo Branco, por volta das 17h20m do dia 08 de janeiro de 2005, Aguinaldo dirigia de maneira perigosa um caminhão seguindo em sentido capital-interior, mudando bruscamente de pista várias vezes e aparentemente jogando seu veículo contra os demais. Testemunhas afirmaram que Aguinaldo se dirigiu para o acostamento sem diminuir a velocidade.

Após atingir José Galdino e ver o corpo ser jogado por cima do veículo, prosseguiu viagem, mas um advogado que já acompanhava a vários quilômetros as imprudências do caminhoneiro, e muito antes do acidente já pedia pelo celular providências para a concessionária Rodovia das Colinas, seguiu-o dando informações que possibilitaram a Polícia Rodoviária deter o motorista mais adiante.

Aguinaldo que além de embriagado dirigia usando chinelos de dedos negou que tivesse cometido qualquer infração, inclusive a ingestão de bebida alcoólica, mas aceitou fazer o exame toxicológico, que veio a apontar 1,4g/l contra o 0,6g/l permitidos. Diante da constatação mudou sua versão, admitindo ter ingerido uma pequena quantidade de pinga.

Apesar de condenado há seis anos em regime inicial semi-aberto, Aguinaldo, que hoje trabalha na lavoura, recorrerá em liberdade. Este julgamento ficou na história da cidade de Itu, por ser o primeiro caso em que um motorista foi condenado por homicídio doloso pelo fato de causar uma morte enquanto dirigia embriagado, demonstrando que a sociedade está tolerando cada vez menos este tipo de atitude.

Comentários

Correspondentes: