Pular para o conteúdo principal

Polícia 24 horas na Praça da Matriz em Itu.

É improvável que alguém saiba se está agindo corretamente ou não. Errar é uma dádiva que Deus deu ao homem, e é graças às nossas falhas que ganhamos experiência.
Se todos erram e isso é bom, o erro é justificável e até positivo, e assim, independente do resultado de uma ação, a decisão de agir sempre será uma atitude positiva.
Mas e quando as cicatrizes são causadas em outras pessoas e não naquelas que tomaram a decisão? As marcas do erro sulcando o corpo de uma família que não a do autor da ação?

A partir de hoje a Guarda Civil Municipal de Itu estará deixando seus homens e mulheres, vinte e quatro horas por dia na Praça Padre Miguel – o centro turístico e cultural da cidade.
A imprensa local tem noticiado o que acontece por lá a noite nos finais de semana. Vandalismo, pichação, embriaguez, brigas até mesmo algumas mortes ocorreram naquele local.
Nas últimas semanas, a polícia militar e a guarda municipal foram alvo do desrespeito dos frequentadores daquele local. No início foram insultos isolados, e agora são atiradas garrafas e copos de cerveja nas viaturas e nos agentes.
O jornal Notícias Populares de Itu ao noticiar um desses distúrbios, colocou a foto de alguns garotos que se diziam parte do grupo que atacou às guarnições, e segundo o jornalista, insistiram para que suas fotos fossem publicadas.
É nesse ambiente que dois guardas civis vão ficar sozinhos. O risco é inerente a função, no entanto a decisão de colocar os homens em um local como aquele é uma decisão crítica do comando da GCM de Itu.
Sidnei Oliveira nos lembra que “nosso empenho em evitar as cicatrizes chegou a um extremo que agora afeta o comportamento de toda uma geração”.
Se hoje a sociedade condena a violência policial contra o cidadão, as forças policiais evitam colocar em risco seus membros, visto que se houver necessidade de reação por parte dos agentes, as conseqüências podem ser desastrosas.

Aqueles homens lá postados com absoluta certeza não trarão mais paz e segurança para aquele local, por outro lado as autoridades têm que sinalizar que não perderam o controle de sua praça central, e daí a escolha da ação.
Oxalá queira que a decisão tenha sido acertada, e que aqueles trabalhadores e seus familiares não venham a guardar na pele as marcas deixadas por erros alheios, mesmo sabendo que toda ação se justifica, independente do resultado.
Este texto foi baseado em fatos reais e a base do texto foi inspirada (ou até mesmo plagiada) do artigo “Onde estão as cicatrizes da Geração Y ?” de Sidnei Oliveira publicado no site Café Brasil.

Comentários

  1. Poizé... acabou, depois de muitos protestos dos GCMs que consideraram na sua maioria um absurdo manter Guardas 24 horas na Praça Padre Miguel enquanto na praça de cima (Praça do Carmo) ficar tomada de nóias e o resto da área Central sem sua viatura, chegou ao fim o patrulhamento permanente na Praça da Matriz.

    ResponderExcluir
  2. Deu no Notícias Populares de Itu de 10/12/2011: Quem está atrás de campeonato de UFC, Boxe, r Kickboxing, está por fora. Quer ver porrada de verdade, com direito a sangue pingando nas calçadas, vidros estilhaçados, bombas de efeito moral e até tiros para cima? É só subir na Praça da Matriz aos domingos após às onze e meia da noite... (Não querendo falar, mas já falando: http://www.aconteceuemitu.net/2011/08/e-improvavel-que-alguem-saiba-se-esta.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos, e saber a sua opinião.

Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto.

Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.