Pular para o conteúdo principal

Praça da Matriz, imprensa e polícia.

O tempo é o Senhor da razão, hoje vemos a praça de guerra que se tornou a área central da cidade de Itu. Todos os periódicos de nossa região ressaltam as pichações e arruaças que ocorrem por lá. Mas o quanto estes mesmos veículos são a causa do problema?

Jornal Periscópio publicou em sua primeira página o que teria sido um covarde ato de agressão por parte de integrantes Guarda Municipal e da Polícia Militar a um cidadão. Incidente ocorrido na Praça Padre Miguel, na madrugada do dia 8 de junho de 2010.

Segundo declarou a família de Gilberto de Farias, o vendedor teria ido a uma festa por volta das 23 horas e quando retornava a sua residência optou por dormir naquela praça. Instado por um policial militar a deixar o local, se recusou a sair e pronto, confusão armada.

A GCMI e a PM abriram inquéritos para averiguar o ocorrido, mas o tempo fez o seu trabalho e provou de que lado a razão estava. As duas corporações continuaram sim atuando no centro, mas para não serem vítimas novamente da imprensa, suavizaram as ações.

A imprensa deve sim fiscalizar os excessos, mas neste caso expecífico, a razão real de tal destaque foi proteger a sociedade ou vender mais jornais? Valeu a pena?

A polícia civil abriu inquérito para investigar o caso do possível espancamento e o Ministério Público acompanhou o processo interesse, mas ninguém foi punido, justamente por não ter havido excesso.

Apenas a sociedade saiu perdendo com esta manchete. O que ocorre hoje na Praça da Matriz e na Praça do Carmo são exemplos disso. Os agentes de segurança são destratados e viaturas por vezes são apedrejadas por pessoas que sabem estarem protegidos pela imprensa.

Tal a desfaçatez desses cidadãos que não só assumem publicamente sua atitude como pediram para o repórter Reginaldo Carlota que os fotografasse e publicasse. É assim... novos valores para uma nova sociedade, onde mais vale o meliante que um policial.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.