Pular para o conteúdo principal

Ninguém põe a mão em mim!

Ao retornar da missa da Igreja do Bom Jesus ou do tradicional Bar do Alemão, o cidadão que deixou seu automóvel estacionado na Praça do Bom Jesus por vezes não encontra seu veículo.

O esquema utilizado pelos criminosos é simples: o olheiro fica sentado na praça ou em um veículo próximo e quando o carro escolhido chega informa ao comparsa que chega, abre, entra no veículo e leva-o em menos de dois minutos. Se surpreendido pelo retorno inesperado do proprietário, cabe ao olheiro avisar e ajudar na fuga, seja intimidando ou atrasando a ação do infeliz proprietário.

A Polícia Militar passou a abordar a pessoas que estivessem por aquele local de forma a inibir este tipo de crime, e foi assim que Tiago Lins entrou em nossa história, pois ele resolveu lutar pelos seus direitos.

Com a frase "Ninguém põe a mão em mim!", o servente Tiago Lins da cidade de Itu recebeu os policiais militares que o abordaram na Praça da Independência e uma simples atividade de rotina virou dois processos judiciais e horas de delegacia.

Segundo Tiago, ele estava estacionado com seu Peugeot preto aguardando sua esposa, quando teria notado uma viatura da polícia, e percebendo que seria abordado, desceu do carro e apresentou os documentos aos policiais. Estes, sem mais nem menos, mandaram-no ficar de costas e com as mãos para trás. Calmamente, Tiago questionou os policiais, lembrando-lhes os seus direitos como cidadão. Rapidamente foi dominado, algemado e conduzido à delegacia.

Uma testemunha que mora em frente ao local tem outra versão: os policiais estavam passando pelo local quando pararam e deram ordens para que o cidadão descesse do carro, mas este se recusou a sair do veículo, dizendo que não era bandido e que no máximo os policiais poderiam ver o documento e na mão dele. Os agentes da segurança pública, ainda segundo esta testemunha, teriam tentado convencê-lo a colaborar, explicando que a abordagem estava sendo feita dentro de uma operação policial, e que tudo acabaria rapidamente, insistido na colaboração do condutor. Só depois de muito custo, este aceitou sair do veículo, mas ainda assim não permitiu que os policiais fizessem a revista pessoal ou veicular. Os policiais alertaram que deveria ele seguir o procedimento para sua segurança e a deles próprios, mas não tiveram sucesso. Como Tiago estava já com animo alterado, algemaram-no e conduziram-no até a Delegacia de Polícia.

Tiago responde agora a um processo por desobediência, que ainda não foi julgado. Mas a ação que este abriu contra o Estado já foi considerada improcedente pelo juiz da 2ª Vara Civil de Itu, Dr. Cássio Henrique Dolce de Faria. Este magistrado considerou que a princípio o uso da algema neste caso teria sido abusivo, mas ressalta que os policiais e testemunhas foram coerentes no descrever a ação policial, e "justificam a contento o uso de algemas para a contenção do autor e para o cumprimento da ordem de prisão por desobediência". Além disso, contradizendo sua própria versão perante a autoridade judicial, Tiago declarou: "não colaborei com a abordagem policial, porque não concordo com os métodos utilizados; pois não sou ladrão e não permiti que fosse submetido á revista pessoal e além do mais vocês policiais trabalham de maneira errada".

Com isso Tiago Lins, foi condenado a pagar mil reais pelo custo do processo, mas como é beneficiário da justiça gratuita...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997 Revisto e atualizado em 2017. A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo. Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça. Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido. Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nos

Assassinato no Portal do Éden - Polícia ou PCC?

A justiça é a busca constante do equilíbrio, podemos ver sua face de maneira clara quando dois ou mais lados de uma mesma contenda se unem para comemorar juntos um fato, e assim ocorreu com a brutal morte de Sérgio Pereira da Silva , o " Nei do Portal do Éden ". A população do Portal do Éden temia e com razão aquele rapaz que gostava de provar sua coragem enfrentando a todos e querendo impor sua vontade como a única verdade. Mas o que poucos sabiam é que a cada dia que nascia ele perdia um pouco sua força. A comunidade onde o tráfico está enraizado pode dar a ele a segurança e a proteção da qual precisa para sobrepujar a lei, ocultando-se, transformando sua luta em uma questão social e fazendo que aqueles que são perseguidos pela lei passem a ser vistos como dignos de ajuda. Nei desprezava o apoio da população, era muito superior à ela, que se esconde em suas frágeis residências em busca de proteção como baratas que fogem da luz. Ele não, ele era a luz, ele era o poder, ma