Pular para o conteúdo principal

O assassinato do Dr. Humberto da Silva Monteiro.


Um julgamento histórico presidido pelo juiz Dr. Hélio Villaça Furukawa ocorrido em Itu em Outubro de 2009, nele o bombeiro reformado e ex-segurança do Ituano Futebol Clube, Nicéias de Oliveira Brito, foi condenado por planejar e mandado executar o advogado Dr. Humberto da Silva Monteiro e o jornalista Josué Soares Dantas Filho.

Os jurados aceitaram a tese defendida pelo Promotor de Justiça Dr. Luiz Carlos Ormeleze que afirmou que a execução do crime teria sido encomendada por Oliveira Júnior ao seu segurança particular e homem de sua inteira confiança, o Brito.

A pena foi fixada em doze anos e cinco meses e dez dias de prisão em regime fechado pelo  homicídio consumado (Dr. Humbeto) e de tentativa de homicídio (Dantas Filho), com dupla qualificação: motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima.

Dr. Humberto era advogado do Ituano Futebol Clube, assessorava o Prefeito Herculano Castilho Passos Júnior, e o Vice-prefeito Élio Aparecido de Oliveira, conhecido como Oliveira Júnior, tendo sido as vítimas no passado aliados deste último, mas quando dos fatos lhe faziam oposição. O jornalista Dantas Filho possuía um programa televisivo e iniciou um forte ataque ao antigo aliado.

A cena do Crime e as versões dos envolvidos.

O crime foi consumado na Rua Capitão Fleming esquina com a Rua Luiz Gazzola no dia 26 de janeiro de 2006 por volta das 14 horas, quando dois indivíduos em uma moto disparam alguns tiros em direção à Blazer cinza dirigida por Dantas Filho.

A investigação feita pela Polícia Civil sob o comando do delegado Nicolau Iusif Santarém indicou que seria limpeza de arquivo ordenada pelo vice-prefeito Oliveira Júnior que estaria temeroso quanto a informações que seu advogado Dr. Humberto teria consigo – segundo Brito seria um milionário prejuízo envolvendo o jogador Juninho Paulista quando de sua venta para o SãoPaulo Futebol Clube.

Dantas Filho conta que no dia dos fatos, por volta das treze horas foi até a casa do Dr. Humberto para com ele saírem almoçar e quando se encontravam próximos a antiga Fundição Gazzola na Rua Capitão Fleming, Dantas Filho ouviu barulhos que inicialmente teria atribuído à moto que estava ao lado do veículo, mas percebendo serem tiros fugiu, e ao perceber que Dr. Humberto tinha sido atingido dirigiu-se a Santa Casa.

Dr. Humberto havia passado meses antes os documentos que Oliveira Júnior temia à sua irmã, com a recomendação de que ela passasse-os à seu amigo Dantas Filho, caso alguma coisa lhe acontecesse.

A investigação policial

 A polícia de Sorocaba chegou à dois suspeitos graças a uma denúncia anônima feita através do telefone 181. Careca e Luizinho, menores de idade, contaram que teriam sidos procurados por Nicéias de Oliveira Brito e seu cunhado José Roberto Trabachini (Zeca) e uma terceira pessoa conhecida como Beni para darem um susto em Dantas Filho. Inicialmente aceitaram o serviço, mas como posteriormente a ordem mudou para que matassem Dantas, ambos desistiram da empreita. Com a recusa da dupla, Luiz Antonio Roque (Tonhão do Ituano Clube) apresentou a dupla que finalmente executou o crime com a arma fornecida por Brito – que também levou os executores para conhecerem a casa do Dr. Humberto.

Durante toda a investigação, as versões variavam quanto ao resultado do contrato: ora os acusados afirmavam que deveriam apenas para dar um susto; ora afirmavam que posteriormente foram chamados a matar Dantas Filho, mas sempre negaram qualquer intenção maligna contra o Dr. Humberto. Uma testemunha que garantiu ter ouvido dos jovens logo após o crime dizendo que não era para matar e por isso não receberiam do Brito.

As teses: da promotoria e da defesa

A defesa de Brito esteve sob a responsabilidade da advogada Drª. Rosemari Nunes S. M. Oliveira e de sua colega Juliana Torres dos Santos, que argumentaram que seu cliente teria contratado os rapazes para que dessem um susto em Dantas Filho, e que por este crime deveria ser julgado e condenado, mas nunca teve a intenção da morte do Dr. Humberto.

Segundo elas, o advogado teria morrido por um erro na execução do crime – o vidro do carro não permitiu ver que tinha um passageiro no carro. Argumentaram também que os três tiros disparados contra o veículo foram dados por traz e na carroceria do mesmo, um dos projéteis teria desviado e acertado por puro azar a vítima.

Já a Promotoria de Justiça argumentou que era evidente que o crime tinha como alvo os dois: Dantas Filho e Dr. Humberto, visto que a ameaça feita através de um programa na tv dizia: "essas pessoas (...) estão correndo sério risco", além disso, os atiradores tiveram a oportunidade de ver que o Dr. Humberto estava no carro, já que estariam seguindo o veículo conduzido por Dantas Filho desde a casa do advogado.

Dr. Luiz Carlos Ormeleze ainda contradisse a defesa quanto ao número de tiros disparados, seriam cinco e não três: os três disparados na traseira do veículo e dois disparados pela janela, cujo vidro estaria aberto ao contrário do que dizia os executores. Esta teoria se comprovaria pelo depoimento do jornalista sobrevivente que alegou que naquele dia, devido ao forte calor, os vidros estariam abaixados. Além disso, o laudo pericial e a posição dos projéteis corroborariam neste sentido.

A importância do veredito

O Ministério Público de Itu acusa o político e empresário Oliveira Júnior de ser o mentor e mandante do crime apoiado em um vídeo onde o político deixa claro sua ameaça. Oliveira Júnior teria dito ao segurança Nicéias Brito: "Vamos dar um susto no Dantas e acabar com esta palhaçada".

Oliveira teria suas razões para arquitetar o crime, e a condenação de Brito, assim como foi anteriormente as dos executores, mantêm firme o elo de ligação entre o crime e o empresário. Oliveira Júnior se disse inocente e afirmou a reportagem do Jornal Periscópio da cidade de Itu, que irá representar a Promotoria de Justiça de Itu junto ao Conselho Federal do Ministério Publico, e se disse ansioso para poder responder a estas acusações, pois o "caso teria uma reviravolta de 360°" (sic). Quando do crime do qual se diz inocente, o político estava em outra cidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…