Pular para o conteúdo principal

Os incansáveis profissionais do crime e o direito.


Importante há de ser, para os futuros estudiosos de nossa terra, a coluna do brilhante jornalista ituano José Carlos Rodrigues de Arruda, que leva ao Jornal Periscópio, histórias do dia a dia deste rincão bandeirante. Não histórias tais quais nos acostumamos ver nos livros didáticos, mas a história viva de nosso povo.

Muito me surpreendeu, quando vi lá postada, uma epístola do delegado da Polícia Civil do Pará, Dr. Wilson Ronaldo Monteiro. Este membro da Secretaria de Segurança Pública do Pará, começa assim sua carta-manifesto:

"Senhor Bandido:

Esse termo de senhor que estou usando é para evitar que macule sua imagem ao lhe chamar de bandido, marginal, delinquente ou outro atributo que possa ferir sua dignidade, conforme orientações de entidades de defesa dos Direitos Humanos ... e por aí vai a autoridade policial."
(veja na íntegra)

A crítica, ou melhor, o desabafo deste cidadão, é muito mais que justo. Mas peca pelo atraso e pela desatualização. Chamar um infrator da lei de "Senhor Bandido", hoje, é passível de punição e pode ser considerado ofensivo a dignidade do meliante.

Ora, senhor delegado. Ora, senhor J. C. Arruda.
Esses cidadãos são trabalhadores incansáveis, e como tal devem ser sim respeitados. Sugiro que doravante, o Jornal Periscópio, do qual o senhor é peça fundamental, passe a tratar tal categoria como "profissionais do crime", linha editorial que este blog já adotou, antes que ser processado por alguma organização criminosa ou de direitos.

Não me venham os pregadores do direito do alheio dizer que estou exagerando, afinal Cristo foi proibido de entrar nas escolas italianas por infringir os Direitos Humanos!!! 
(veja matéria sobre esse assunto) Quem dirá nós.

Aqui em Itu, ao menos, o judiciário tem evitado cair na tentação de punir policiais por simplesmente fazer cumprir a lei, a algumas semanas, um cidadão ituano perdeu uma
ação onde reclamava de uma abordagem policial. Mas, mesmo por aqui, existem casos que nem o diabo acredita. Pasmem, senhores, um traficante sobejamente conhecido e já condenado diversas vezes, possui um habeas corpus que o livra de ser revistado. Isto não ocorre em Terras da Carochinha, é um exemplo vivo que percorre as ruas do Jardim Aeroporto, sem ser importunado, afinal, é seu direito.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…