"O futebol é o ópio do povo e o narcotráfico da mídia."(Millôr Fernandes)

Pagou o traficante com uma facada no coração.

O homem vê os guardas municipais chegando e se encolhe cadeira no canto do bar de sua mãe. Ivo dos Santos Ruas com então 25 anos, um chapeiro conhecido como Isca no Bairro Cidade Nova da cidade de Itu, estava ainda com as roupas sujas de sangue.

Naquele sábado, 18 de abril de 2009, logo depois do meio dia Ivo encontrou com Vanderlei da Silva para o qual devia cinco ou dez reais, dívida de drogas (Avenida Paz Universal esquina com a Rua Avaré). Ao ser cobrado, Isca tentou enrolar um pouco mais Vanderlei e o clima esquentou, pois o traficante inconformado o agrediu com um tijolo. Mas a reação de Isca foi fulminante: com uma faca que ele trazia consigo desferiu um único golpe contra o coração do traficante, que faleceu mesmo tendo sido socorrido no PAM da Vila Martins.

Uma equipe da GCM de Itu estava fazendo um patrulhamento próximo ao Posto de Saúde quando foi informada que haveria naquele local uma pessoa ferida a faca. Os parentes da vítima acusavam Ivo pelo crime, visto que Airton Pereira dos Santos, o Ailton Gordo ou Repolho, como também é conhecido, teria visto tudo. O irmão de Vanderlei, Cícero Aparecido da Silva, disse saber onde o assassino estaria e indicou o local aos guardas municipais.

Assim, o GCM Luciano e o GCM Adilson adentraram o bar em busca de Isca.

Ivo negou tudo aos guardas civis afirmando que de fato tinha discutido com Vanderlei e tendo até recebido uma tijolada, mas em nenhum momento havia o apunhalado. Seja como for, concordou acompanhar a guarnição até o 4º DP para prestar depoimento e de lá foi mandado para o CDP de Sorocaba.

última publicação:

Marcola do PCC e o mito de Frankenstein

Afinal quem seria o monstro? A criatura ou seu criador? Em 15 de agosto de 2011, escrevi meu primeiro artigo sobre o Primeiro Coma...