"O futebol é o ópio do povo e o narcotráfico da mídia."(Millôr Fernandes)

Tentativa de homicídio na Vila Progresso em Itu.

A garota acorda assustada e sua mãe lhe diz que a tia Rosa havia tentado matar o seu tio Alvacir. Passava um pouco das 16 horas de sexta-feira, dia 30 de maio de 2009 quando Valéria da Conceição Américo levantou e soube da gravidade dos ferimentos e chama o serviço de ambulância, mas não tem nenhuma naquele momento que possa ir em socorro. Disca então 199 e pede ajuda à Guarda Civil Municipal de Itu, que chega em poucos minutos. Segundo o Promotor de Justiça de Itu, Dr. Alexandre Augusto Ricci de Souza, o caranaibense Alvacir Fernandes da Silva só foi salvo, pois a GCM Rosimary e o GCM Rosival prestaram eficiente socorro à vítima.

Alvacir está amasiado com Rosalina Américo há oito anos e ambos são catadores de papéis em Itu, na Vila Progresso, vivendo na Rua Segundo Feriozzi, e naquele dia, o casal que já tinha por hábito brigar violentamente, exagerou, e Alvacir sofreu um profundo corte de sete centímetros no pescoço que quase o levou à morte, deixando-o três dias no hospital e causando paralisia parcial dos movimentos de um dos lados do corpo.

Ela contou que...

Seu amásio Alvacir tem costume de beber, e naquele dia...

... ele que era demasiadamente ciumento, chegou em casa e foi conversar com o pai dela, que por ali estava. Aparentemente ele tinha ficado muito nervoso com ela, ciúmes de um cara que teria estado por ali a conversar com o seu pai, mas que ele encasquetara que tinha ido atrás dela. Ela que é uma senhora "com uma filha e dois netos", ninguém de fora entra na casa, mas ele encasquetava que Rosa lhe traía. De repente ele vira e joga uma garrafa de 51 na direção dela, a garrafa estoura sobre o tanque de lavar roupas, ela pega um pedaço e joga na direção dele. Pronto, mal feito, feito.

Ele contou que...

Sua amásia Rosa tem o costume de beber, e naquele dia...

... ele tinha ido visitar seus filhos no CEACA, e quando voltou de lá contou para ela que naquele dia não houve visitas. Ela já aparentava estar muito nervosa. Ele foi então preparar um caldo de cana para acalmá-la, e levou um susto quando ela começou a gritar com ele: "filho de uma égua", "isto é uma prisão", e outras coisas. Mas ele não perdeu as estribeiras, ficou confeccionando um "teclado de garrafas" que pretendia dar para o pai dela. Como Rosa viu que ele não ia perder a calma, acabou saindo comprar uma 51, que tomou toda sozinha. Quando voltou jogou um pedaço da garrafa em sua direção, acertando-o, e mesmo vendo-o sangrar muito, ainda jogou-o para fora da casa, juntamente com todas as suas roupas.

Ambos concordam que...

Foi brincadeirinha e que querem ficar morando juntos por muitos anos. E, como ambos concordaram com isso, a juíza da 1ª Vara Criminal de Itu, Drª Andrea Ribeiro Borges, acolheu a tese da promotoria e da defesa que pediram a desclassificação do crime de tentativa de homicídio para lesão corporal grave. Condenando Rosa há três anos e meio em regime semi-aberto. Ela que já possui outras duas dúzias de condenações por furto, lesão corporal e tentativa de homicídio, já está na rua, podendo viver com seu amado no aconchego de seu lar.

última publicação:

Marcola do PCC e o mito de Frankenstein

Afinal quem seria o monstro? A criatura ou seu criador? Em 15 de agosto de 2011, escrevi meu primeiro artigo sobre o Primeiro Coma...