Pular para o conteúdo principal

Carta de um prisioneiro arrependido à uma juiza.

A hipocrisia cristã de dizer que não se julga seu semelhante findou. Todos julgam a todos sim, sempre, a cada minuto, seja com uma visão complacente ou acusatória, mas todos julgam.

Desta forma não temo dizer que por mais neutro que tente eu ser que sempre tomo partido, penso: esta pessoa mereceu ser castigada ou absolvida. Em alguns casos é mais fácil e em outros bem mais difícil, e é um desses casos que hoje trago ao olhar dos senhores.

Que não existe inocente nesta história, isto lá não existe, mas será que um personagem mau que levou um inocente para o descaminho, ou não? Peço que avaliem e se possível, tragam-me a verdade: esta pessoa merece ser absolvida, ou não?

Domingo, 16 de agosto de 2009 – 19:36 horas
Droga Raia Vila Nova,Rua Prudente de Moraes 270, Itu

O pintor santoanastaciense Douglas de Oliveira e Alex Santos de Almeida (Baianinho) assaltam a drogaria e fogem a pé em direção ao Jardim Aeroporto, sendo abordados e presos no caminho pela Guarda Civil Municipal: GCM Squilaro e GCM Freire.

Douglas ao ver os guardas civis se entrega e confessa o crime dizendo-se arrependido. Enquanto isso Baianinho joga algo do outro lado da cerca do SESI, o dinheiro do assalto e tenta fugir, tendo que ser detido a força pelos agentes da segurança pública.

Na delegacia Douglas declara-se arrependido à Drª. Ana Maria Gonçales Sola, que ao consultar a vida pregressa do rapaz verifica que nada o desabona em seu passado. Baianinho por sua vez furtou até a Igreja de Cristo, além de outras passagens.

Como assalto é um crime considerado grave e provoca distúrbios sociais relevantes, apenas um juiz pode tomar a decisão de soltar o acusado, portanto foram ambos enviados ao CDP de Sorocaba, do qual Douglas escreveu a seguinte carta manuscrita:

... sou réu confesso e estou ciente do que fiz. Tenho uma família maravilhosa, estruturada, carinhosa que sempre me deu conselhos, que sempre me ajudou nas horas mais difíceis, também tenho uma filha que Deus me deu de presente, linda, cheia de saúde e muito amorosa e que sente muita falta de mim, ela só tem três anos de idade. Amo muito essa criança, só queria mais uma oportunidade de provar que sou capaz de largar as drogas e criar esta criança. Vossa excelência, estou com 26 anos, 10 anos da minha vida joguei fora no mundo das drogas, e agora passando por isso, vi que não compensa, pois só quero voltar para minha casa e lutar, pela minha filha.
Vossa excelência eu não estava junto com a minha filha sexta, sábado, domingo. Hoje sinto muitas saudades dessa criança, que ela chora pedindo pelo ‘meu paizinho’. Eu quase não agüento a dor no coração, parece uma faca cravando no peito. (...) vou procurar uma medida de tratamento. Está sendo muito difícil ficar longe das pessoas que amo.
Vossa Excelência, a minha família é evangélica e muito espiritual e não merece passar por tanta humilhação de estar me visitando nesse lugar.
Eu Douglas de Oliveira peço encarecidamente, agradecido à compreensão.
Por favor, preciso de uma chance.

Sendo assim, é de se perguntar se Douglas não teria sido corrompido por Alex, que o levou a cometer aquele ato criminoso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.