Pular para o conteúdo principal

Moto falha e ladrão é preso em beco em Itu.

Ele não merecia isso. Está certo que aquele rapaz não era flor que se cheirasse, mas aquelas três mulheres estavam exagerando, insistia a Drª. Gisele Luizon Carlos Cera tentando convencer o juiz da 2ª. Vara Crime da Comarca de Itu.

Mércio Vinícius, ajudante de carpinteiro e pai de uma criancinha de apenas três meses, estava agora atrás das grades esperando a sentença do Dr. Hélio Villaça Furukawa. Dependendo da decisão do juiz, só voltaria ao seu lar dentro de quatro anos. Muito tempo na vida de uma criança, muito tempo na vida de qualquer um.

Tudo por culpa daquela moto. Se ela tivesse pegado na primeira nada disso teria acontecido. Aquela Honda-CG 2001 verde com placa de Sorocaba estava em nome de Paulo, mas de fato pertencia a ele, e funcionava direitinho, mas naquele dia teve que falhar. Coisas do Diabo, que ajuda a fazer e não a esconder.

As três mulheres citadas pela Drª. Gisele eram a dona de uma loja, e suas duas vendedoras. Graças a elas, a moto e a um beco sem saída os planos de Mércio foram água abaixo.

A loja fica no simpático Vila Roma Brasileira, em Itu. O bairro mais parece uma pequena cidade: pequeno centro comercial, Cidade das Crianças, e uma boa estrutura pública. Um bom lugar para se viver e trabalhar, mas naquele dia, recebeu a loja a visita de um jovem pardo, magro, um pouco baixo, vestindo uma bermuda de nylon azul, uma jaqueta de moletom cinza e com um capacete preto.

Foi logo depois do almoço daquela quinta-feira dia 02 de abril que uma delas viu aquele homem entrando na loja sem tirar o capacete e com a mão sob a blusa insinuando estar armado. Pediu o dinheiro do caixa e quando ela colocou-o sobre o balcão, ele levou apenas as notas, deixando as moedas. Ao sair o rapaz teve dificuldades para ligar a moto, o que deu a ela tempo de ver a placa e as vestes e falar para a colega, que já estava ligando para a polícia.

A rápida ação das três permitiu que uma viatura da Polícia Militar que estava na Avenida Caetano Rugieri trombasse com aquela moto. O condutor tentou dar pinote nos soldados Aragão e Boaratti, no entanto acabou entrando na Rua Orlando Bost, um beco sem saída na Vila São José – para todos, inclusive para Mércio, que lá foi preso.

Se Silvana reconheceu a moto, Dayane afirmou que eram aquelas as vestimentas, e com isso o Dr. José Moreira Barbosa Netto, delegado do 2º. Distrito Policial de Itu resolveu manter preso Mércio e deixar a decisão por conta do Juiz de Direito.

Drª. Gisele, defensora do rapaz, gastava agora seus argumentos com o juiz: lembrou a ele que a testemunha no começo dizia que só sabia que o rapaz era moreno, e só depois veio cheia de detalhes; chamou a atenção para o fato de que a palavra da vítima deve ser vista com ressalvas, visto que muitas vezes julga estar certa, mas inconscientemente desvirtua os fatos e mesmo tentando ser honesta, falseia a verdade, “embora de boa fé”; e principalmente repete a frase de uma das testemunhas – “Ele não ameaçou em momento algum”.

O juiz por fim decidiu que só o fato de haver ele simulado estar armado já caracterizou o roubo e a forte ameaça. Há pouco, Mércio conseguiu livramento condicional por outro roubo, saiu do presídio, fez um filho e mas agora voltará para o sistema prisional para puxar duas penas, esta última por mais quatro anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.