Pular para o conteúdo principal

O envenenamento de cães em Itu e as três mulheres.

Estou tão desesperado quanto à senhora – disse-lhe eu – com tudo o que aconteceu. Opus-me o quanto pude; mas as nossas santas leis nos ataram as mãos; afinal, graças ao céu e ao seu trabalho aquela pequena alma canina foi salva.

É verdade que muito lutei durante minha vida a favor destes pequenos seres que nos amam como se fôssemos deuses, os cães. Hoje só posso agradecer a Patrícia Gollitsch Daunt, voluntária da Associação de Socorro e Proteção aos Animais de Itu.

Patrícia chegou a Praça Joaquim Pinto de Oliveira, Bairro Prudente de Moraes, para socorrer dois cães de rua que teriam sido envenenados e estariam padecendo na garagem de uma casa, foi na manhã da segunda-feira 18 de agosto de 2008.

Estou tão desesperado quanto à senhora – disse-lhe eu – com tudo o que aconteceu. Opus-me o quanto pude; mas as nossas santas leis nos ataram as mãos; afinal, graças ao céu e ao seu esforço a vida destes seres foi mais amena.

É verdade que muito lutei para que os donos de cães não os largassem pelas ruas, mas pessoas como Fátima Cristina é quem cuidam destes pequenos seres abandonados pelas ruas, dando-lhes água, alimento e proteção.

Fátima é quem percebeu que dois cães de rua que ela cuidava foram envenenados: um já estava morto o outro ainda sobreviveria. Chamou Patrícia que elevou-o ao local mantido pela associação protetora dos animais para tratamento.

Estou tão desesperado quanto à senhora – disse-lhe eu – com tudo o que aconteceu. Opus-me o quanto pude; mas as nossas santas leis nos ataram as mãos; afinal, graças ao céu e a sua luta, talvez tenhamos as ruas mais limpas e seguras.

É verdade que muito lutei para que as pessoas parassem de tratar dos animais de rua, encaminhando-os para o Departamento de Zoonoses onde poderiam ser: tratados, doados, ou isolados. Mas pessoas como Cleide Aparecida Todesque é quem enfrentam os pseudos protetores dos fracos e oprimidos.

Cleide via cada vez mais aqueles animais pelas ruas, já tinha tentado de tudo para tirá-los de lá, mas sempre existe alguém que se compadece do sofrimento alheio, não tem coragem de trazer para dentro de casa, mas aceita socializar o problema.

Estou tão desesperado quanto às senhoras – disse-lhes eu – com tudo o que aconteceu. Opus-me o quanto pude; mas as nossas santas leis nos ataram as mãos; afinal, graças ao céu tudo agora está resolvido, tristemente não como gostaríamos.

É verdade que muito lutei para que as coisas não tivessem chegado aonde chegaram:

Patrícia fez o que achou certo, ao ver aquele cão padecendo socorreu-o, e deu todo amparo legal para Fátima, que fez o que achou certo, cuidando daqueles seres desprotegidos que padeciam em sua rua e acusando Cleide, que fez o que achou certo, ao ameaçar envenenar aqueles animais soltos, que traziam perigo de acidentes, mordidas e doenças para seu bairro.

Nunca saberemos se Cleide de fato envenenou-os ou sabe quem o fez. Dr. Hélio Villaça Furukawa propôs que ela pagasse uma multa de R$ 200,00 ao Instituto Formando Gente, e se encerrasse o assunto.

Ela aceitou, mas será que o assunto morreu, assim como o cachorro?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.