"O futebol é o ópio do povo e o narcotráfico da mídia."(Millôr Fernandes)

Os quatro pescadores ituanos e o policial rodoviário.

Mas afinal somos todos cristãos, e assim devemos seguir o exemplo dos grandes Santos da Igreja. São Pedro foi pescador e Cristo auxiliou aos pescadores desafortunados, mas eu não me vejo seguindo o exemplo dos santos, preferindo a filosofia de meu pai que dizia que o mau exemplo é tão profícuo quanto ao seu melhor oposto.

Mas aqueles quatro homens preferiram seguir o santo exemplo. Osmar, Gilberto, Maycon, e José Carlos, foram até a cidade de Tietê exercer a arte da pesca a exemplo de São Pedro.

Ao voltar à cidade de Itu tiveram o VW Santana em que estavam viajando parados por um policial rodoviário. No interior do veículo quatro sacos com peixes e tarrafas. Os homens foram levados até a delegacia.

Os tempos mudaram, quando Pedro pescava e Cristo abençoava a pesca os rios eram limpos, os mares quase virgens e os lagos piscosos. Os homens fizeram com que as coisas mudassem um pouco.

Os quatro foram pescar no Rio Tietê, um local em que os peixes para sobreviver tem que enfrentar águas poluídas com produtos químicos, garrafas plásticas e todo o tipo de entulho doméstico.

O legislador proibiu a pesca com o uso de tarrafas de qualquer tipo com malhas inferiores a 50mm, e as que os pescadores traziam tinham 40mm quando esticada entre os ângulos opostos.

O legislador tentou proteger os filhotes e permitir que futuras gerações pudessem povoar as águas. Infelizmente, os quatro amigos não se atentaram muito nos cuidados com as futuras gerações.

O policial rodoviário acabou de certo modo ajudando aos quatro, visto que os peixes foram recolhidos e destruídos, pois se encontravam impróprios para o consumo. E os quatro pretendiam alimentar sua família com aqueles animais.

Isso se deu na Rodovia Marechal Rondon  km147, mas ocorre em todo nosso estado. Eu por mim, não me vejo seguindo santos exemplos, prefiro a filosofia de meu pai que dizia que o mau exemplo é tão profícuo quanto ao seu melhor oposto e este é o caso.

última publicação:

Marcola do PCC e o mito de Frankenstein

Afinal quem seria o monstro? A criatura ou seu criador? Em 15 de agosto de 2011, escrevi meu primeiro artigo sobre o Primeiro Coma...