Pular para o conteúdo principal

Quem domina o São Judas e o Aeroporto em Itu?

Nenhuma afirmação humana pode ser considerada à princípio insana, pois tal é fruto da conclusão a que chegou uma pessoa, levando em consideração: sua vivência, cultura na qual cresceu e expectativas sobre o efeito de suas palavras. Por isso, quando Herbert disse que estava lá com seus amigos caçando um pássaro, bem...
Terça-feira, 29 de setembro de 2009. – 14h00
Rua Osvaldo Del Campo sn, São Judas Tadeu, Itu.

Uma viatura da Guarda Civil Municipal pede apoio na rede: ao abordar suspeitos de tráfico de drogas em uma área de risco, a comunidade interveio para resgatar os acusados. Todas as viaturas seguem para lá, a rua transformava-se em uma praça de guerra, a atitude tomada naquele momento por aquela equipe mudará a história.
Durante algum tempo, Estado e população, entenderam a negociação como única forma de solução de conflitos e assim nasceram às áreas de risco, maneira politicamente correta de se dizer que determinada região não tem mais o controle do Estado, que lá, quem faz a lei são os bandidos, e era essa a negociação que se faria naquele momento:
Quem domina o Bairro São Judas Tadeu / Jardim Aeroporto é o Estado ou a comunidade?

Comunidade é o nome politicamente correto das pessoas envolvidas ou usadas pelo tráfico de drogas, conscientemente ou não, para justificar a não intervenção do Estado em uma região dominada. É ela que se revolta e se indigna com a atuação da polícia, mas nunca age quando o traficante espanca, mata ou lhe vende drogas para seus filhos.
Os guardas que estavam no Centro de Controle, não imaginaram o que causariam quando solicitaram ao frutalense GCM Wederson e ao paulistano GCM Nascimento que se dirigissem até aquele local para averiguar a venda de entorpecentes por parte de um indivíduo: negro, magro, trajando uma blusa preta, e acompanhado de um adolescente.
Da viatura, os guardas observaram pessoas chegando até os dois, trocando algo com elas e saindo. Decidiram pela abordagem, na qual o negro jogou algo por cima da cerca do Centro de Saúde onde ele estava encostado, com ele ficaram R$ 110,00 e com o adolescente um cigarro e mais duas porções de maconha, além de R$ 10,00.

Herbert é paulistano e trabalhava até ser preso como ajudante-geral na Elma Chips, contratado através da empresa Proficenter Terceirização Industrial, e segundo ele, naquela sexta-feira estava ali com seus amigos caçando um pássaro, e o dinheiro foi dado pelo seu pai para a compra de ração, mas o pai negou.

A situação para os dois que já estava crítica, e ficou ainda pior quando o GCM Nascimento retornou do Posto de Saúde do São Judas dizendo ter achado a droga. Herbert tentou fugir e começou a gritar por ajuda, principiando o tumulto generalizado. Neste momento a negociação é essencial, e Herbert a descreveu na delegacia como ela se deu:
Eu e mais três amigos estávamos caçando um pássaro, a viatura da guarda municipal parou, nos revistou e só encontrou um cigarro de maconha com o menor. Quando fui questionar porque estava sendo algemado me deram uma gravata por traz e desmaiei.

Terminada a negociação, foram levados até o delegado Dr. Antônio Carlos Padilha, que os ouviu na presença da advogada, Drª. Liliane Gazzola Faus. Por lá também chegou Alcindo, morador daquela comunidade há quinze anos e que confirma a versão de Herbert: ... os dois usam drogas, mas nunca ouvi falar que traficavam.
Herbert responde agora por tráfico de drogas e corrupção de menor, se condenado sua pena será acrescida pelo crime ter sido cometido próximo à UBS Tristão Bauer, à EMEF Profa. Maria Cristina Castanho Mendes Pereira, e ao Centro Infantil Lucy Franco Montoro.
Seu destino está nas mãos da Justiça, ao qual todos os ituanos estão sujeitos, e nas mãos de mais ninguém. Aqui, nesta cidade se faz Justiça, através da Justiça, graças a séria atuação da Guarda Municipal, que negociará, sempre que for necessário, com quem quer que seja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.