Pular para o conteúdo principal

O sistema carcerário sempre foi deficiente no Brasil.



Um retrocesso temporal significativo permite aferir que na cidade de São Paulo, em 1829, já se apontava a convivência na cadeia de criminosos condenados e detentos aguardando julgamento. Redigido por cidadãos “probos”, um relatório da época acusava o espaço físico reduzido na prisão para o número de presos naquele período histórico, bem como o ambiente insuportavelmente abafado. Em síntese, outros relatórios posteriormente apresentados vieram a detectar que os locais onde se mantinham os detentos eram carentes de higiene; além disso, não havia assistência médica, a alimentação era escassa e de qualidade duvidosa, e o acúmulo de lixo transformava o local no exemplo mais fiel à falta de respeito para com a dignidade humana.1

Em 1841, aproximadamente doze anos após a emissão do documento, outro relatório vinha a denunciar as péssimas condições da Cadeia de São Paulo, nos mesmos moldes da análise anterior. À época, Nuto Sant’Anna apontava que:

Este estado de cousas porem não é somente indecoroso para um Estado, que alardia de Christão, e de civilizado; é mais: uma verdadeira violação do Código Penal. Ninguem negará, que elle agrava as penas legalmente impostas aos réos, far-lhes soffrer maior soma de males do que a lei respectivamente preestabeleceu para seus crimes; e esses males são o sofrimento moral, e physico de todos os momentos produsido pela impureza do ar; e dos aposentos, a deterioração da saude, e por conseguinte o encurtamento da vida dos presos, males que elles não sofririão, si o estado das Prizões fosse tal, como a Razão, a Constituição o prescrevem, entretanto não é licito (Cód. Crim. art. 33) que um crime seja punido com penas diversas, ou maiores do que as para elle estiverem decretadas.2

Evidencia-se, daí, que o sistema prisional brasileiro já teve seu início sem a devida preocupação para com a dignidade do detento e, também, completamente descompromissado com a questão condizente à ressocialização. Não é de se surpreender que a prática de “armazenar” indivíduos sem o menor compromisso e suporte do Estado, pode ter criado o estigma de que o preso é “escória” e, como tal, assim deve ser tratado no ambiente prisional.

Para uma melhor elucidação sobre a manutenção conjunta de presos com e sem condenações, cabe aqui explicar que os presos são aqueles que ainda estão confinados enquanto aguardam que o delito praticado seja devidamente apurado e a sentença seja emitida. Já, a terminologia condenados refere-se aos que foram julgados e contra eles já foi emitida uma sentença definitiva, devendo tais agentes cumprir a pena nos moldes estabelecidos pelo juiz/norma penal.3

[...] Tem-se que a historicidade do sistema prisional brasileiro é permeada pelo descaso, mas tal fenômeno merece ser devidamente vinculado à questão social no Brasil. [...] a prisão é para pobres, pois é de domínio público que neste país é raro alguém com alto poder aquisitivo sofrer as mazelas inerentes ao sistema carcerário brasileiro. Se a prisão é para pobres, há que se inferir que a problemática gira em torno da má distribuição de renda, que ocorre desde a época do Brasil Colônia. Aliás, este território já teve sua colonização com fins exclusivamente exploratórios, o que desde o princípio já criou uma grande lacuna nos centros de poder e desembocou num abismo significativo entre os mais ricos e os menos favorecidos.

Este texto é um trecho da Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Metodista de Piracicaba – UNIMEP, do Dr. Gerciel Gerson de Lima, sob orientação da Professora Doutora Ana Lúcia Sabadell da Silva do Núcleo de Estudos de Direitos Fundamentais e da Cidadania em 2009 - SISTEMA PRISIONAL PAULISTA EORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS: A PROBLEMÁTICA DO PCC – PRIMEIRO COMANDO DA CAPITAL.

1. SALLA, Fernando. op. cit., 2006a. p.48-49.
2. Apud. SALLA, Fernando. op. cit., 2006a. p.58-59.
3. THOMPSON, Augusto. A questão penitenciária. Rio de Janeiro: Forense, 1991. p.97.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.