O talarico foi morto. E agora o que acontecerá?


O peixe morre pela boca, Salvador Luiz também.
Salvador não era homem de deixar barato não, e poucos o encaravam, pois bastava beber e passava a ser um problema para a vizinhança, mas quando sóbrio era uma boa pessoa.
Não creio que alguém de fato duvide que as acusações que pesavam sobre ele eram falsas. A garota estava lá, disponível o enquanto o companheiro mofava no sistema carcerário.
Mulher de preso (mesmo do PCC) também tem necessidades, e Pâmela tinha as suas. Ela era usuária de drogas, precisava também se manter e seu companheiro estava preso.
As volúpias que passavam pela cabeça de seu vizinho Salvador podem ter se realizado, ou não. Ela nega, sempre negou. Conhecia e sempre o visitava, mas nunca foi tocada por ele.
Mas Salvador espalhou saia com ela, além de manter um relacionamento íntimo e lhe dar dinheiro para as drogas. Oh, quando a volúpia que se transforma em palavra pode ser mortal.
Nada justificaria a mentira que Salvador estaria contando sobre ela, se é que não era verdade. Mas quem está preso um dia pode sair, e Hildo um dia saiu.
Não importa se era ou não verdade, Pâmela nada viu, pois estava dormindo. Seu pai saiu para ver e viu o corpo de Salvador deitado no chão da Rua Dona Júlia no Jardim Alberto Gomes.
Segundo uma testemunha o talarico foi morto por dois homens altos e escuros que deram chutes, pauladas, e estocadas com uma chave de fenda. Foram momentos de terror para Salvador.
Não sei o que de fato se passava entre ele e Pâmela, ambos sabiam o risco daquele relacionamento mal escondido, mas se o pecado não falou por si, Salvador o fez por ele.
Não sabemos o que se passou na mente e no corpo de Pâmela quando ficou sem o companheiro (preso) e quais as necessidades pelas quais passou. Só ela sabe.
Pâmela agora novamente está sem o companheiro, que foi condenado pelo Tribunal do Júri da Comarca de Itu a uma pena que a Drª. VanessaVelloso Silva Saad fixou em quinze anos, e sem seu vizinho que está morto.
Será que Pâmela agora resistirá, será que outras mulheres de presos realmente resistem? Será que podemos de fato atribuir a culpa, se é que teve Salvador e a outros talaricos? Será que é justo que um homem que fica por anos fora de casa possa exigir da mulher fidelidade?

Conta a mitologia grega que Penélope esperou vinte anos por Ulisses. Seu amor e sua fidelidade ficaram registrados pela história, mas isso foi a muito tempo, agora Pâmela poderá seguir o seu próprio caminho ou os passos de Penélope.

Ulisses havia partido para a guerra, Hildo está preso, milhares de anos separam um do outro, mas ambos esperavam o mesmo, a fidelidade de sua companheira.

última publicação:

A pacificação do PCC em São Paulo

A pacificação do PCC em São Paulo A facção paulista, o delegado e o investipol Juro que vi uma discussão entre um delegado de polícia...