Pular para o conteúdo principal

A prisão do irmão Preto em 2008.


Eles são eles, nós somos nós. A verdade é algo deve existir entre o branco e o preto, pois existem vários tons de cinza, não existem? Então como ver a verdade entre o que dizemos e o que eles dizem?
A justiça feita pelo sistema abomina aquilo em que nós acreditamos. O paraíso apregoado por aqueles que fazem as leis é contra tudo o que acreditamos desde que nos conhecemos por gente, onde está então o branco, o preto e principalmente o cinza?
Mas se queremos crer que existem tons de cinza temos que acreditar que não existam: o certo ou o errado; e a verdade ou a mentira. Então como conciliar...

Os policiais declararam que lá chegaram depois que várias ligações anônimas que foram feitas para o Disque Denúncia da Polícia Militar, mas nós acreditamos que aqueles policiais queriam mesmo era incriminar Júlio César, o Preto, e por isso criaram toda aquela situação.

Eles disseram que Júlio César quando viu a viatura da polícia foi para dentro do portão de sua casa e se recusou a sair,segurando na grade e lutando, mas nós acreditamos que ele já estava dentro de casa e enquanto tentava destrancar o portão para atender o pedido, os PMs forçaram o portão botando-o abaixo.

Eles disseram que Júlio César atiçou seu cão da raça pitbull contra eles, mas nós acreditamos que aquele cachorrinho é doce e que até brincou com os policiais.

Enfim, não acreditamos no que declararam os policiais que naquele dia 30 de julho de 2008 invadiram a casa de Preto na Vila São José e alegaram que encontraram naquele local trinta gramas de maconha e sessenta e sete porções de crack.



Acreditamos sim que tudo foi como Júlio César declarou:
Ele havia acabado de chegar de seu trabalho quando em frente ao portão de sua casa uma viatura da Polícia Militar com um menor no seu corró, e que o garoto de fato fazia suas correrias em uma biqueira localizada ali na esquina de sua casa, mas ele nada tinha a ver com isso. Quando foi abrir o portão os policiais forçaram-no e este veio a cair e machucar um policial. Por sinal os policiais estavam era com perseguição com o menor que já tinha sido pego naquela semana.

Os policiais foram claros e unânimes e disseram que toda a droga estava dentro da casa de Preto, mas ele nega e explicou à Juíza Drª. Andrea Ribeiro Borges que na realidade é que a casa em que ele mora dá fundos para com a que o garoto que estava com os policiais morava, e lá de fato era uma biqueira, e foi de lá que os policiais tiraram a tal droga. Júlio até disse para que o menor assumir tudo, mas qual o quê.

A verdade de uns é tão diferente da verdade de outros, então fica muito difícil de saber onde de fato ela está, mas os policiais tinham um trunfo: a coerência de suas declarações.

Júlio César também tinha dois trunfos e jogou-os: ele estava conversando na frente de sua casa com Alexandre que lhe vendia roupas trazidas da região do Brás em São Paulo; e também o menor que foi preso ali na esquina.

Preto e Branco – onde estarão os tons de cinza?

Alexandre que era uma das esperanças de Júlio César acabou mais prejudicando que ajudando, pois declarou que estavam fora no momento da abordagem dos policiais, diferentemente do que seu cliente tinha dito, também disse que os policiais queriam entrar na casa e Júlio se negou a deixar... ops, falhou de novo. A outra esperança da defesa de Júlio César era o tal menor que teria sido preso, mas ninguém o viu e ninguém sabe quem é o tal garoto.

A juíza então não teve dúvida, condenou Júlio César a mais de dez anos de prisão por tráfico, resistência e lesão corporal. Ela não acreditou ao contrário de nós nas palavras de Júlio César, mas convenhamos que a história contada por ele estava um pouco difícil de acreditar.

Mas será que não foi puro preconceito contra Júlio César que fez com que aquela juíza não levasse em consideração outras alternativas para a declaração dos policiais? Eles são eles, nós somos nós. A verdade é algo deve existir entre o branco e o preto, pois existem vários tons de cinza, não existem? Então como ver a verdade entre o que dizemos e o que eles dizem?

Será que não era verdade que as drogas estavam na casa localizada no fundo de sua residência e que Júlio César é quem passava as drogas por cima do muro para abastecer aquela biqueira? O Alexandre tinha dez reais no bolso, e o preço da parada é dez reais, pode ser que... Bem... deixa para lá, afinal estas teorias não o ajudariam muito.

Talvez seja melhor não procurar os tons de cinza, deixa o mundo continuar preto e branco, afinal aqui é Brasil e apesar de condenado a dez anos, não se passaram mais que quatro e ele já está livre, e olha que haviam outras condenações em outros processos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…