Pular para o conteúdo principal

Um passeio pelas biqueiras do Jardim Vitória em Itu.


É interessante o inverno paulista, onde o sol brilha ardido, faz com que os olhos fechem por mais atento que a pessoa esteja — e naquele dia nem era o meu caso. Meu colega estava próximo a viatura e eu estava preenchendo um talão de ocorrências. Isso foi pouco depois de voltarmos do almoço pela base operacional.

Por instantes fiquei com o olhar perdido ao longe. Estávamos em um local próximo ao Jardim Vitória, talvez o principal ponto de distribuição de drogas na cidade de Itu. Além da venda no varejo, as biqueiras do bairro também fornecem para outros pontos da cidade. Júlio César, o Preto é o irmão maior da cidade (PCC) e lá é sua base.

Naquele momento este não era um problema para mim. Já fazia muito de ficar de olhos abertos o suficiente para conseguir completar aquele talão antes que fossemos chamados para outra ocorrência, o que não tardaria a acontecer. Mas algo me chamou a atenção, eu conhecia aquele rapaz que descia aquela rua próxima ao córrego, era o Dayvison.

Com efeito, todas as pessoas sabem através da inteligência, que é através dos sentidos que os seres recebem os dados que a mente trabalha transformando em pensamentos. Os olhos e ouvidos são as janelas para o infinito, e Dayvison Domingos Sevandija as utilizava exatamente para isso. Enquanto andava olhava para lá, para o infinito, devaneando sobre Deus ou sabe-se lá o quê. Esse era o Dayvisonzinho que eu conhecia.

Ele era um profissional como poucos, ficando horas debruçado sobre uma imagem que tinha que ser trabalhada no Photoshop, atento aos mínimos detalhes e chegando sempre na melhor solução para os pedidos dos clientes. Por outro lado seria ridículo não admitir que ele não tinha o menor tirocínio, ao certo não tinha ideia do perigo que corria ou de onde estava se metendo.

Estava agora passando em frente a casa da Rua Zumbi, no qual morava, Marcelo, que depois mudou-se para a Rua Miguel Arcanjo Dutra. Lembro-me que o chefe do tráfico, o Júlio César, estava desconfiado que ele podia estar trapaceando. Não sei no que deu, devem ter se acertado...

Mesmo preso Júlio César garantiu certa vez ao Bola de Fogo: “... os problemas meu mano, aos trancos e barrancos eu mesmo resolvo cara, ou...”. Nesta mesma conversa Bola de Fogo falou para Julio que ele era o sintonia da cidade – o irmão do PCC responsável pela disciplina em uma determinada região.

Mas Júlio César faz a sua própria disciplina, mesmo preso.

Passou, perco-o de vista, mas entra na Rua Treze de Outubro, a rua onde Anselmo, conhecido como Lázaro (sabe-se lá o por quê), morava, ou talvez ainda more. Ouve certa vez uma investigação envolvendo ele com Keiti, o irmão Japa (PCC), com quem ele pegava grande quantidade de drogas.

Na época Japa estava em São Mateus na Grande São Paulo, hoje vive em um presídio, Avaré se não me falha a memória, mas isso também não interessa. Pronto, lá vai Dayvison, seguindo em direção ao Jardim das Rosas. Talvez quem sabe, a próxima vez que encontrar com ele lhe diga para não olhar tanto para o infinito ou nem tanto para seu ser interior, e prestar mais atenção nos perigos que o rodeiam.

Comentários

  1. Na última terça-feira (03/01/12) na Rua Zumbi, que citei no texto acima dois jovens foram fuzilados por três indivíduos que estavam em um Gol preto. A informação que corre é que os dois faziam o tráfico no local, no entanto um dos mortos, Tiago Jacob Silva não tinha registro criminal, e o outro morto, Leandro Silveira de Moura Carro respondeu à dois processos, mas ambos já haviam sido arquivados.

    Uma outra informação relativa é que Júlio César dos Santos, que seria o chefe do tráfico pelo local saiu do sistema prisional, mas mesmo sem estar pedido ele optou por ficar mocosado em algum lugar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos, e saber a sua opinião.

Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto.

Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.