Pular para o conteúdo principal

A prisão de trabalhadores em Itu. (trabalhadores?)


Eis-nos, portanto, já de acordo sobre uma questão que foi objeto de disputa durante muitas décadas, e que continuará sendo pelo menos por mais tantas. Não era de espantar que tenhamos, eu e Rodrigo Domingos Sevandija, chegado em acordo, pois procuramos à verdade de boa fé.

Não estávamos discutindo teoricamente coisas que ouvimos dizer, estávamos lá próximos àquelas pessoas que eram alvo de nossas elucubrações filosóficas. Arriscaria dizer que todas elas eram esforçadas trabalhadoras e ao mesmo tempo criminosas.

Se vivêssemos nos anos de chumbo, um período onde o desenvolvimento econômico andava par e passo às horrendas trevas que envolviam as ações policiais, algumas delas, talvez, estariam mortas ou desaparecidas, e com certeza teriam apanhado muito.
Mas este tempo passou e hoje impera a razão; encontramos facilmente o que nos parece a verdade, e ousamos dizê-lo, mesmo sabendo que esta possível verdade não seja mais que um erro ao qual fomos levados – em geral por inocência ou por benevolência.

O farturense Adriane dos Santos Martins é lubrificador na empresa Siadrex e tem uma renda de aproximadamente R$ 1.300,00, muito acima da média salarial do estado mais rico da União, e muito distante da faixa de miserabilidade. Então por quê foi preso?

O mourãoense Alex de Almeida Paiva é inspetor de qualidade da empresa Filaqua Laser e tem uma renda de R$ 1.600,00. Dr. Gerciel Gerson de Lima acompanhou-o em frente ao juiz de direito Dr. Hélio Villaça Furukawa. Mas por quê ele foi preso?

Ana Lúcia dos Santos foi presa também pelas mesmas razões e assim como os já citados aqui, nunca tinha passado por uma situação daquelas: estar trabalhando, ser presa e tratada como uma criminosa. Não foi humilhada ou maltratada, mas foi detida.

Giovana de Campos Cosciansti é uma exceção, estava assim como os outros trabalhando, mas já respondeu por desacato e anteriormente pelo mesmo crime que estava sendo presa juntamente com os outros: pirataria – CDs e DVDs falsificados.

Todos eles foram pegos na Feira do Rolo da Avenida da Paz Universal na Cidade Nova ou nas imediações, durante a Operação de Combate à Pirataria da Guarda Civil Municipal de Itu, em conjunto com os fiscais de renda do município.

Dr. Hélio Furukawa, assim como alguns colegas seus de magistratura entendem que a pirataria não é de fato uma ação criminosa – é um fenômeno social. A situação de miserabilidade do povo brasileiro levou a criação deste mercado informal.

De um lado estariam pessoas que precisariam desta renda para sobreviver, e de outro, milhões de pessoas que não teriam acesso à cultura devido aos altos preços cobrados pelas empresas fonográficas e as grandes multinacionais de entretenimento.

Quando começamos a discutir sobre este assunto, vendo aquelas pessoas lá, no 4º Distrito policial de Itu, aguardando para depor diante da autoridade policial Drª. Ana Maria Gonçales Sola, tínhamos visões opostas, eu e Rodrigo.

Por meu lado seguia a linha de raciocínio defendida pela Drª. Mariane Monteiro Schimd que luta pelo fim deste mercado que desestimula a criação e os produtores, que investem esforços, dinheiro e muito trabalho para depois verem-se vilipendiados.

Rodrigo Domingos Sevandija por sua vez defendia que o pequeno mercado informal não prejudicava de fato as grandes empresas e os artistas, na realidade suprem uma necessidade de mercado que não poderia ser atendido pelo sistema formal.

Encerrada a operação, o GCM Délcio, o GCM Devanir, o GCM Eudes, Rodrigo e eu trocarmos opiniões por algum tempo sobre esta questão que já foi objeto de disputa durante muitas décadas, e que continuará sendo pelo menos por mais tantas.

Rodrigo e eu chegamos em acordo que aquilo não era problema nosso, se fôssemos chamados a atender este tipo de ocorrência, conduziríamos para a delegacia e delegados, advogados e juízes é que se virassem com suas filosofias e seus movimentos sociais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…