Pular para o conteúdo principal

A Madrasta Assassina da Cidade Nova de Itu fala.


Há anos que tenho conhecimento destes fatos, coisa boba, que não publiquei aqui pelo simples fato de que considerava águas passadas, e só me disponho agora a falar o que sei aos senhores por ter chegado novamente o nome deste homem aos meus ouvidos.

Sábado, 5 de dezembro de 2009. 3:25
Rua Cerquilho 25, Cidade Nova, Itu, SP

Durante a madrugada por algum motivo obscuro um garoto de cinco anos é agredido com golpes de talhadeira na cabeça quando estava dormindo em sua cama, e já desacordado e praticamente morto é abandonado enrolado em um edredom sobre um monte de areia de construção no quintal de sua casa.

Por pouco que seja, minha mente agora é avassalada por uma dúvida cruel: será que realmente a madrasta Camila, grávida no quarto mês de gestação, tentou matar seu enteado? Novas investigações a respeito da suposta participação da mãe biológica da criança deixam algumas dúvidas.

Serei breve, muito breve, pois tudo aquilo ainda me assusta deveras e neste momento estou sozinho, é tarde da noite, e a escuridão grassa nos cantos ocultos do lado de fora. Henry Evaristo

Camila não era uma santa, mas ninguém esperava dela uma agressão: não existiam antecedentes de distúrbios mentais ou de agressões contra quem quer que seja. Agora, é claro, aparecem dedos acusatórios de todos os lados, mas só agora!

Desde o primeiro momento ela afirmou que Adriana havia engendrado o crime de dentro da prisão, para fazer com que ela perdesse o amor e a confiança de seu companheiro Fernando. Ninguém acreditou naquela história.

Que mãe mandaria agredir de tal forma seu próprio filho?

O brilhante investigador Moacir Cova demonstrou que Adriana, mãe de quatro filhos, pertencia a facção criminosa Primeiro Comando da Capital - PCC, e na época das investigações policiais tinha pouco mais de um ano de idade. Adriana já era naquele momento companheira de Donizete, o Careca, um irmão do Partido, hoje falecido. Estamos chegando aonde interessa.

Camila acusou de serem mandantes Adriana e Careca, o segundo estava morto e a primeira estava presa. Estava? Mesmo que estivesse, os contatos que mantinha com o irmão Preto, possibilitariam a execução deste crime sem a menor dificuldade.

Há anos é de conhecimento dos meios policiais que irmão Preto comanda o crime organizado na cidade, coisa boba, que não publiquei aqui pelo simples fato de que considerava águas passadas. Júlio César está preso na Penitenciária de Avaré e de lá controla o que se passa no mundo daqueles que o sustentam, nós meros trabalhadores.

Só me disponho agora a falar o que sei aos senhores por ter chegado novamente o nome do irmão Preto aos meus ouvidos. Seu nome aparece agora ligado ao de Adriana.

Publicarei neste blog nos próximos dias, se me sobrar algum tempo, informações sobre sua atuação na cidade de Itu, a influência do PCC, divisão algumas divisões de áreas da cidade e outros fatos interessantes.

Faço-o agora também porque não sei se poderei fazê-lo no futuro, alguém me disse que o irmão Preto já está na rua, beneficiado por uma dessas saidinhas não mais voltou. Bem, eu de fato não fui lá prá conferir, mas não duvido nada. Antes de sair ele deixou um recado que coloco aqui nas palavras dele:

“Tô loco pra mim sair mano, pra mim mete o revolver cara, puta...”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…