Pular para o conteúdo principal

No Clube Comerciários meninos viram homens.


Só me desagrada que, por malícia do demônio, tudo tenha ruído. Ser um homem livre, um cidadão pleno, foi uma conquista que o jovem Diego Marcelo teve pouco tempo para desfrutar. Mal completou seus dezoito anos e tua liberdade foi tirada.

O Demônio inspirou, e Diego gostou do desafio.

Noite, Clube Comerciários, cidade de Itu: testosterona fluindo no ar, álcool e drogas circulando de mão em mão, e garotas passando de boca em boca. Ali garotos viram homens, e meninas viram mulheres. Se dois minutos de papo fazem de um mero conhecido e amigo de longa data, uma palavra, um olhar, um esbarrão podem terminar em morte.
O Demônio inspira, e garotos gostam do desafio.

Diego esbarra na garota que derruba seu copo de cerveja. Algumas garotas gostam disso, testam seus machos, jogam-nos uns contra os outros. Garotos, meras crianças nas mãos das minas. A garota é namorada de Alessandro, que instado, desfere um soco no rosto de Diego. Chega a turma do deixa pra lá que não vale a pena. Isso não vai ficar assim, Diego pagará caro por isso – Alessandro teria dito a alguém. Os dois rapazes viviam no São Judas, e lá morrerá Alessandro, e lá acabará a liberdade de Diego.

O Demônio inspirou, e garotas gostam do desafio.

O temido traficante de drogas Alessandro Aparecido era conhecido como Feio. Moacir Cova, um mestre da investigação criminal em Itu, disse que Diego e Thales eram suspeitos de serem os ladrões de motos da cidade. Com a prisão de Diego e fuga de Thales os roubos de motos praticamente acabaram. Japão e Vampeta eram amigos de Diego, poucos minutos antes do assassinato de Alessandro estavam com Diego e Thales, conhecendo a dupla e vendo que estavam camuflando uma moto, acharam que eles iriam cometer algum assalto, e saltaram de banda. Enfim, todas eram pessoas do mais fino trato.
O Demônio inspira, e seus súditos aceitam o desafio.

Alessandro faz de tudo para ameaçar Diego, vai até sua família, mostra a arma para ele e diz que está marcado, simula estar armado outras vezes, e desfere tapas em seu rosto. Mas naquele dia a coisa não foi assim, segundo Diego, afinal Alessandro está morto e não pode nos dizer o que ocorreu, quando ele chegou no Marujo's Bar para comprar cerveja, lá estava Alessandro sentado em uma mesa. Ao vê-lo chegar, se levanta e vem em sua direção, coloca a mão na cintura e é o último movimento que faz entre os vivos.

O Demônio inspirou, e Alessandro pela última vez desafiou.

Diego não costuma andar armado - pelo menos o que ele diz. Na noite anterior, um sujeito chamado Arrastão o convidou para uma festa, inicialmente não aceitou, mas como sua namorada Talita deu cano, ele resolveu dar um pulo lá. Porquê Arrastão vendeu ama arma para Diego, só o Demônio pode responder, e não sou eu quem vou lá para perguntar. Diego foi armado para comprar a tal cerveja, e assim acabou seus dias de liberdade depois de ter dado seis pipocos no Feio. Alguns dizem que Alessandro estava ameaçando Diego por dívidas com drogas, outros que ele estava indo fazer um assalto e encontrou ao acaso Alessandro, outros que era o dia que estava marcado para o acerto final, mas o que temos certeza é que ficou lá o corpo estendido no chão.

O Demônio inspirou, e Diego não foge de um desafio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…