Pular para o conteúdo principal

Um caso de extorsão em delegacia de Campinas.

Atuar na segurança pública não é fácil, mas tão pouco é difícil. Se por um lado alguns membros insistem em agir como a velha estratégia policial, onde se misturam corrupção e violência, por outro existe a grande maioria que mesmo recebendo um salário muito inferior ao risco que correm não aceitam se vender.

Eu sou cidadão ituano há mais de cem anos, pois meus avós vieram para cá no final do século XIX e provavelmente estarão meus descendentes por aqui vivendo daqui há um ou dois séculos, desde que eu faça minha parte e ajude minha terra a ser um lugar bom para se viver.

Talvez seja esta a grande diferença que existe entre a Polícia Militar e a Guarda Civil Municipal: enquanto o foco da PM é o combate ao crime, a Guarda Municipal visa melhorar a sociedade onde vive através do seu trabalho.

Outras diferenças existem, ora a favor de uma corporação ora a favor da outra. A GCM por ser oriunda da comunidade em que atua, tende a aproximar-se de políticos: honestos ou não. Que acabam desviando os agentes da lei do cumprimento rígido de suas funções, seja por razões lícitas ou não. O que pode ser positivo ou não.

Por outro lado, esta proximidade afasta-os das negociatas com o tráfico e dos atos de violência, pois sua atuação é cobrada tanto pelas forças políticas quanto por seus próprios membros. Ambos os grupos formados cidadãos da terra, que viverão na pele os erros e os acertos de sua atuação.

Esta introdução, longa por sinal, vem apenas esclarecer que existem diferenças e similaridades entre todas as força policiais brasileiras, havendo homens e mulheres ilibados em todas elas, mas também existem corruptos.

A Polícia Civil não foge a regra, com bons e maus exemplos. Outro dia me surpreendi com a correria feita na Penitenciária de Avaré pelo detento Keiti Luiz Von Ah Toyama, traficante conhecido como “irmão Japa” no PCC, teve que mover mundos e fundos para conseguir grana para tirar de dentro de uma DP de Campinas um comparsa seu.

Terça-feira, 14 de novembro de 2006. 15 horas
Presídio de Avaré – Interior de São Paulo
Japa recebe uma ligação dizendo que os policiais haviam preso Fernando, um peixe grande de Indaiatuba. Poucas informações chegaram, ele não sabia o motivo da prisão, ou melhor, sabia. De outra vez já teve que chorar com algum dinheiro para soltar o colega e desta não seria diferente – era a mesma equipe que estava no DP.

Ele não perde tempo e conversa com Márcia, a mulher de Fernando que lhe pede dez mil reais para ser entregue na casa dela em Indaiatuba, ela apenas sabe que ele foi preso na frente de sua loja, e conta que os policiais exigiram sessenta mil para libertá-lo. Ela entregaria o Audi dele no valor de cinqüenta mil e precisa de mais dez em dinheiro.

Japa suspira, desta vez saiu barato, da outra eles garfaram duzentos mil. O próprio Fernando de dentro da DP fala com o Japa que está no presídio e pede para agilizar o negócio, mas Japa está com dificuldades pois o banco agora já está fechado. Um tal de Luiz entra na linha, cujo telefone é de prefixo 11, e vai tentar arranjar a grana.

Não sei se Fernando no fim foi solto ou não, mas que a correria existiu, isso lá existiu. E vamos convir, que não se deve estranhar quando se houve que determinada entidade sofre represarias do PCC, pois tem gente que faz tudo para merecer.

Por graça Divina ou por bom-senso da população, parte dos profissionais da segurança são muito bem vistas na maioria dos lugares onde atuam de maneira mais efetiva, tanto pelas raízes históricas de seus membros quanto ao número insignificante de denúncias de corrupção. Quiçá isso venha a se propagar por todas as outras corporações.

Atuar na segurança pública não é fácil, mas tão pouco é difícil. Se por um lado alguns membros insistem em agir como a velha estratégia policial, onde se misturam corrupção e violência, por outro existe a grande maioria que mesmo recebendo um salário muito inferior ao de outras corporações não aceitam se vender.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…