Pular para o conteúdo principal

Mina responsa, respeitada pelos manos de Itu.

“Os olheiros ficam na esquina e comunicam-se através de celulares, sinais e assovios. Ficam em um bar próximo...”

O trailler Tico e Teco lanches, localizado na Avenida Caetano Rugieri em frente ao Supermercado Alvorada, era o lugar indicado por aquela ligação anônima para o Disk Denúncia de Itu. O endereço citado nas ligações era a residência de Aparecida de Fátima, no Bairro Jardim São José.


A Polícia Militar também recebeu diversas ligações informando daquele ponto de trafico. Várias viaturas participam do cerco. Lá chegando os policiais avistam dois rapazes no portão da casa, os quais foram abordados e revistados, eram: Denis e Júlio.

Denis estava com dez reais e nada de ilegal consigo. Segundo ele estava lá para dar uns beijinhos na garota que morava naquela casa, uma menina de doze anos que realmente é uma garota saltense muito bonita e simpática. Ela mesma conta que “faz coisas” com os homens que conhece na “rua da bica” para conseguir dinheiro para as drogas. Seu nome é conhecido e respeitado pelos nóias da região, e de fato estava na casa, levada para a delegacia, seu pai foi chamado, mas negou-se a retirá-la, pois ela se recusa a lhe obedecer e foge.

Todos os que frequentam aquela casa são usuários de algum tipo de droga, como declara Érica, viciada em crack e que frequenta o local há oito anos: “... íamos lá para o uso comunitário de entorpecentes e tomar cerveja.”. Edson, confirma e conta que não mais usava drogas, “mas seu filho está com uma espécie de câncer maligno na cabeça... como ouviu dizer que naquela casa havia drogas”, ele foi conferir.

Era no portão desta casa que Denis e Júlio estavam sendo revistados. Com Júlio foi encontrado R$ 59,00 e uma pedra de crack. O que por si só não configuraria o tráfico, mas o fato de Denis estar com os dez reais em uma mão e Julio estar segurando uma pedra de crack, foram considerados pelos policiais indícios suficientes para prendê-lo.

Enquanto ocorria a prisão, uma garota apareceu na porta da casa, e vendo a policia, voltou correndo para dentro. Um dos policiais percebeu e foi em seu encalço, chegando ao quarto encontrou duas mulheres e a menina, assim como 32 porções de cack embaladas individualmente e 20 ampolas de cocaína.

Posteriormente, espalhados pela casa foram encontrados diversos cachimbos improvisados para uso de drogas e duas porções de maconha, e na edícula no fundo da casa haviam duas balanças e dois pacotes de amido de milho utilizados para “batizar” os entorpecentes.

Uma das mulheres era a dona da casa, Aparecida de Fátima, mãe de Júlio, que estava fora do sistema apenas há dois meses e segundo ele só estava ali de passagem. Tudo indica que a menina era usada como mula no tráfico, e Júlio já foi condenado em 1999 por usar um garoto em um esquema de tráfico semelhante.

Sua advogada, Drª. Camila de Campos, diz que todos os indícios indicam que o tráfico era feito apenas pela garota e sua mãe, e que ele estava apenas “no local errado e na hora errada, e que ele jamais se associou ao tráfico de drogas”.

Bem, agora caberá a Justiça decidir, enquanto isso, mãe e filho ficam em segurança, atrás das grades.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.