Pular para o conteúdo principal

A dominação cultural do PCC 1533.



José Guilherme Cantor Magnani no artigo “Antropologia Urbana: desafios e perspectivas” publicado na Revista de Antropologia da USP segue o caminho aberto por Gilberto Freyre incluindo como formador da nova cultura nacional a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC 1533).

Freyre indicou como o modo que vivemos nosso dia a dia foi influenciado diretamente por usos e costumes de diversos povos graças a “cordialidade” de nossa matriz portuguesa, Magnani nos dá uma ideia de como mensurar hoje a influência da facção paulista.

O antropólogo Magnani nos lembra que não podemos ver uma cidade como um todo, a visão distante do global nos impediria de ver o que de fato acontece, assim como não podemos nos deter em um único indivíduo ou grupo pois também ficaríamos cegos.

Isso se dá nos extremos, e temos que buscar o meio se queremos de fato ver o que está acontecendo. Um membro da facção que vive imerso em seus corres tem a mesma possibilidade de ver sua realidade quanto alguém que a analisa apenas através dos livros.

Não ficando nem muito perto e nem muito distante podemos ver melhor e percebemos que o Primeiro Comando da Capital deixou de ser uma “mancha cultural” limitada a pequenos nichos como os presídios para se tornar um sistema integrado com o restante da sociedade.

No Brasil graças às nossas origens culturais descritas por Freyre os grupos se mesclam mesmo se perceber, e por mais que os legalistas e os membros das facções insistam, ambos comem e dormem sob o mesmo teto cultural, mesmo falando dialetos diferentes.

Podemos tentar estabelecer os limites da influência que cada um dos grupos tem sobre a formação global da sociedade e como cada um dos personagens passam a ser influenciado por esta.


A constância e força das regras impostas pela facção que há mais de vinte anos impõe de maneira rígida e direta as regras de vida de milhares de brasileiros nos presídios e para seus familiares criou raízes profundas e agora tem sua rede de influência secundária, onde normatiza o modo de viver e pensar de centenas de milhares cidadãos que vivem nas regiões periféricas e em nichos nas regiões centrais e nobres das cidades.

O impacto do código de conduta da facção, o Estatuto do Primeiro Comando da Capital, permeia de maneira sutil e acaba sendo incorporado por outros entes da sociedade que se imaginam longe da sua influência através da convivência com pessoas que tem contato mais próximo.

Um exemplo são as pessoas comuns que vão aos estádios assistir aos jogos de futebol. Há quase uma década postado aqui matéria sobre a influência da facção nas torcidas organizadas, e essas são as que ditam as regras gerais dentro dos estádios. Outro grupo são os dos pichadores e esqueitistas que não admitem a influência da facção, mas acabam dentro de seus nichos reproduzindo inconscientemente as regras as suas regras: “lealdade, humildade, e proceder”.

Esses grupos assim como outros citados por Magnani são emblemáticos, no entanto o sistema não se espalha apenas através dos setores estanques mas também geograficamente e através das relações comerciais e sociais: pessoas que moram em um bairro com forte influência da facção manterão relações sociais e econômicas fora das fronteiras do bairro, e tendo internado as regras acabam as repassando.

“Seguindo outras pistas, distante de zonas fortemente marcadas pela ilegalidade, em certos movimentos culturais de periferia são feitos contatos e alianças com jovens de outras regiões, alguns universitários, que descobrem novos trajetos mas devem seguir as regras do pedaço que começam a frequentar.”

E essas novas regras incorporarão ao seu conceito de normalidade social, e por fim passarão a defender essas novas regras de conduta lutando pelos Direitos Humanos ou Legalização das Drogas, afinal como diz Mc Keke:

“... Obediente no que eu digo e não faz o que eu faço,
treinado virô talibã e hoje é nosso soldado…
… fechamos as lojas colocamos fogo nos buzão,
sem atingir os inocentes, aqui não tem covarde,
a nossa guerra todos sabem é contra as autoridades.”

A sociabilidade leva a nós como seres humanos a viver em sociedade e cada um de nós criou seu próprio processo de socialização de modo a sobreviver nessa selva, para isso nos integramos a grupos assimilando sua cultura, e para nos protegermos de outros grupos mais fortes por vezes mesmo que inconscientemente transformamos nossos valores culturais justificando o injustificável, mas garantindo nossa sobrevivência.

Comentários

  1. Ao que tudo indica o PCC é o responsável pela cisão entre periferia e classe média. Explico: os valores da classe média eram emulados, apropriados pela periferia como valores absolutos a serem perseguidos (a saber, filho na universidade pública, trabalho com carteira assinada, estabilidade, conservadorismo social, valores humanos, artísticos, etc), isto estava claro na década de 80 e 90. Com o surgimento do PCC me parece que a periferia rompeu com a classe média e iniciou um movimento no sentido de ter seus próprios valores intrínsecos, cada vez mais a periferia é um mundo a parte, com vontade própria e valores próprios. O aumento da matança de jovens da periferia por policiais e agentes de segurança retratam esta impossibilidade de diálogo, entre mundo cada vez mais distantes.A periferia busca seus próprios valores e isto choca cada vez mais a classe média. Basta observar o difícil convívio entre professores quase todos oriundos da classe média que trabalham em escolas de periferia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos, e saber a sua opinião.

Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto.

Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…