Pular para o conteúdo principal

Grande Dia!



Grande vitória! Dezenas de ações que estão correndo contra a cúpula do Primeiro Comando da Capital e seus principais operadores em todo o país terão que ser trancadas e até arquivadas, dependendo do caso.

O senador Flávio Bolsonaro conseguiu barrar na Justiça as ações que tiveram como base relatórios do COAF sobre movimentações financeiras:

"O PCC deve estar comemorando a decisão de Toffoli. O Coaf identificou movimentação de R$ 63 milhões, de novembro de 2005 a julho de 2007, 686 contas bancárias pertencentes a 748 pessos e empresas ligadas ao PCC." — procurador Helio Telho

É importante que as defesas de cada um dos irmãos ou aliados que estejam respondendo processos que se encaixem nessa modalidade que procurem a defesa pois o efeito não é automático.

Paraguai declara guerra contra o Primeiro Comando.



Alfredo Barreto Guillén homem chave na organização do Primeiro Comando da Capital PCC 1533 no Paraguai não foi encontrado pela polícia apesar de uma ampla operação coordenada pelo setor de inteligência da polícia paraguaia. Três imóveis em Hernandárias localidade próxima a fronteira brasileira de Foz do Iguaçu foram invadidas pelas forças públicas e Rebeca Zaracho Giménez, mulher de Alfredo, foi presa em uma delas assim como drogas e uma moto roubada.


Essa semana o governo daquele país cuidou da deportação de Carlos Antonio Caballero e deverá em breve enviar para cá também Jarvis Chimenes Pavão, ambos fazem parte da alta hierarquia da facção paulista atuando em território paraguaio.



O Ministério Público da República do Paraguai informou que foram condenados a penas que variam entre 12 e 20 anos de prisão membros do “Primer Comando Capital” na Ciudad Del Este. Thiago Jiménez (Matrix), José Carlos de Almeida, e Alberto Roa foram reconhecidos como integrantes do PCC. As penas foram impostas apesar do assalto ao carro forte da Prosegur que planejavam não ter se concretizado, visto que a polícia conseguiu impedir a ação da gangue com base nas escutas telefônicas e documentos apreendidos.

Talvez por todas essas razões a localização de Gegê do Mangue seja um mistério. Inicialmente tinha-se como certo que seu destino tinha sido o Paraguai após a sua libertação do sistema prisional brasileiro, mas agora muitos apostam que esteja gerenciando as ações da Bolívia ou até mesmo do Brasil.

Comentários

Correspondentes: