Pular para o conteúdo principal

O garoto do Bonde dos 13 (B13) e o SISFRON/ENAFRON


Alguém se lembra do esperanto? Sei que quando eu era moleque, cheguei a me inscrever em um curso dessa desconhecida língua, em uma suja e secundária rua do bairro da Lapa e, para minha surpresa, dando uma olhada no Google Street View, vi que a escola ainda está lá, e a rua está ainda mais suja e secundária.

A ideia por trás do esperanto é fazer com que as pessoas de todo o mundo fiquem mais próximas umas das outras, acabando com conflitos e criando um sentimento compartilhado de humanidade que garantiria a paz”. Legal, né? Mas não funcionou, assim como não funcionaram o Plano Estratégico Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras (ENAFRON) e o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (SISFRON) para combater os crimes transnacionais.

Bem, o ENAFRON e o SISFRON são programas que integram nossas forças de segurança às dos países vizinhos, e já funcionam há mais de uma década, “só que não” – essa semana, o PCC arrebentou nos noticiários de nossos vizinhos sul-americanos com ações de sucesso e alguns fracassos.

Pela enésima vez, o Ministro do Governo boliviano Carlos Romero Bonifaz tentou se entender com as autoridades brasileiras:
“Hemos insistido mucho en tener oficiales de alta graduación de la Policía Federal de Brasil y se aceptó la designación para una lucha conjunta contra el crimen”. 
Não quero falar nada, não, mas a coisa, provavelmente, não sairá do papel. Quem, de fato, combate o crime organizado das facções criminosas no Brasil não é a Polícia Federal ou as Forças Armadas, mas, sim, a Polícia Militar e a Promotoria de Justiça por meio de seu braço investigativo: a Polícia Civil. São os estados, não a União, que combatem, de verdade, as facções.



Enquanto a alta cúpula civil, militar e policial reuniam-se com Romero, assim como foi feito no passado com o Rei Luiz XVI, o Primeiro Comando da Capital infiltrou-se , utilizando-se de pessoas simples, nas ruas sujas e escuras, assim como os revolucionários franceses fizeram no passado.
Na pequena cidade de Cobija, um dos líderes pego pelas autoridades sequer era do Primeiro Comando da Capital, mas do Bonde dos 13 (B13), facção aliada do estado do Acre. Os garotos estão dominando as ruas, enquanto a cúpula, há décadas, se reúne.


A ideia por trás do esperanto, assim como a sede na rua da Lapa e o sonho da União por uma polícia de fronteira efetiva continuam aí, mas os governos caem antes de alcançar seus objetivos, afinal, são divididos, loucos para provarem que suas perucas são mais importantes que as dos outros.

Polícia Federal, Forças Armadas, Polícia Civil, Policiais Militares, Guardas Civis, Polícias Rodoviárias, Ministério Público (isso só dentro do Brasil)... enquanto isso, Jorge Pisco da Silva, o rapaz do Bonde dos 13, invade a Bolívia com ou sem o SISFRON/ENAFRON.
"Cada governo deve adotar uma política de cooperação bilateral e multilateral sincera e profunda, isso é crucial para alcançar os resultados desejados." – Mariano Bartolomé, Profesor Titular, Licenciatura en Relaciones Internacionales en Universidad Austral, Argentina.
O lado bom é que a Bolívia ainda é um dos países com as menores taxas de insegurança cidadã na América Latina, de acordo com dados estatísticas das Nações Unidas, como lembrou o Secretário Romero. Agora, se ele não conseguir resultados rápidos o lado bom mudará de lado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.