Pular para o conteúdo principal

Preço da cocaína no atacado para biqueira – 2021


Eu detestava números e sofria com eles até que o livro O Homem que Calculava caiu em minhas mãos, um office boy trabalhando no Edifício Winston Churchill, na Avenida Paulista em São Paulo. Malba Tahan mudou por um tempo a minha relação com os números.

Uma leitura viciante. Fiquei íntimo dos números e dos cálculos: bastava ver um prédio e rapidamente sabia quantas janelas ele tinha, assim como o número de rebites em um vagão do metrô ou o número aproximado de todos os rebites de todo o trem – aos meus olhos, tudo no mundo passou a ser mensurável.

Depois de um tempo, abandonei os números e os cálculos, mas agora eles voltaram para me assombrar. O professor Mariano Bartolomé, em seu trabalho La Criminalidad Organizada, un Severo Problema de Seguridad para el Hemisferio, demonstrou que os números e o poder do crime organizado superaram a minha capacidade de calcular e, talvez, até a de Beremiz Samir, o homem que calculava de Malba Tahan.

Eis alguns dados obtidos sobre o tráfico internacional de drogas a partir da pesquisa de Bartolomé:

A Cocaína, que é comprada por 1 dólar por quilo na produção, é oferecida já dentro do território brasileiro próximo a Bolívia por 8.500 dólares, chega a granel na capital paulista por 12.000 dólares e é distribuído no atacado por 18.000 dólares e revendido para os donos das bocas entre 25.000 e 30.000. A cocaína chega no sul dos EUA por 15.000 dólares e nas capitais europeias por até 70.000 dólares, mas a Bartomé não esclarece se esse é o preço a granel ou entregue para o comerciante final, mas o Ministério Público de São Paulo afirma que o valor na Europa e África chega à 80.000 US$.


Se a matemática dos preços é espantosa, as quantidades produzidas pelas organizações são ainda mais surpreendentes: pelos números divulgados pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (ONODC), podemos crer que hoje são produzidos anualmente mais de 1.000 toneladas de cocaína, oriundas de mais de 300 mil hectares de cultivo ilegal de coca.
Com essa matemática, as organizações criminosas, entre elas o Primeiro Comando da Capital, movimentam US$ 2 bilhões anuais, isto é, 3,5% de tudo que foi produzido no mundo, incluindo os bens e serviços – dados da ONODC; pior: enquanto o PIB mundial cresce 2,7%, a área de cultivo da coca aumenta entre 10% e 38% e a produção de cocaína a estratosféricos 50%.

E as drogas são apenas uma das diversas operações das facções criminosas. Segundo o relatório da Global Financial Integrity (GFI) apresentado em Davos, no Fórum Econômico Mundial (FEM), as operações econômicas ilegais geram mais de 1 trilhão de dólares, sendo 320 bilhões com as drogas ilegais, 250 bilhões com falsificação e contrabando, 31,5 bilhões com o tráfico de pessoas, e os outros 40% dividido nas outras atividades menores.

Abandonei os números, mas eles não me abandonaram e agora voltam para me assombrar. Graças ao professor Mariano Bartolomé, passo a desconfiar que Malba Tahan estivesse errado: nem tudo no mundo pode ser mensurado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.