Pular para o conteúdo principal

O dinheiro da caixinha do PCC depende dos líderes


Você já recebeu uma mensagem de voz no Whatsapp que fizesse você parar e pensar? Eu recebi uma assim, há umas três semanas. Parei o que estava fazendo e repeti a gravação, vinda de dentro de um dos presídios paulistas, na voz alguém que se identificou, mas o nome e a posição dele dentro da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) eu não me lembro.

Ele começou mais ou menos assim:
“Sabe qual o problema do Primeiro Comando da Capital hoje? Não tem mais liderança! Ninguém mais é líder, acabou…” – ao fundo, aquele vuco-vuco dos áudios que vem de dentro do sistema.
Logo imaginei o Marcola e o Gegê ouvindo isso, e o cara não parou de falar por mais de dez minutos. O cara realmente é bom, a organização criminosa Primeiro Comando da Capital tem um líder mais preparado do que a maioria das empresas, órgãos governamentais e centros acadêmicos que eu conheço.

Depois do impacto inicial, o cara virou o jogo, sempre transmitindo forte emoção na voz que arrepiaria qualquer irmão 121 ou “157 mil graus”:

“Aqui só tem chefe e ninguém precisa de chefe, o Primeiro Comando não precisa de chefes, nós estamos presentes em vinte e três estados e seis países e o que precisamos são de líderes. Se você quer ser chefe está no lugar errado, precisamos de líderes aqui!”
E assim foi. No último meio século de minha vida, não ouvi um discurso motivacional tão forte quanto o desse cara, que é o cara. Bem, mas não é por causa desse áudio que escrevo esse texto; vim para falar de Liliane, uma irmã do PCC, alguém sabe o vulgo dela?

“Em 2004, Liliane foi presa por roubo, ficando até 2006, época em que conseguiu fugir, pulando o alambrado da cadeia com mais 10 companheiras. Ficou foragida durante 7 anos e, no início, recebia proteção financeira do PCC, que pagava seu aluguel e dava uma ajuda para viver.”

Quem me contou isso foi Leda Fleury Monastero, e esse trecho está em seu trabalho de doutorado apresentado à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP): Mães em Situação de Encarceramento e a Relação com seus Familiares: um estudo em unidades prisionais na cidade de São Paulo.

Citei aqui o áudio d’o cara, porque ele foi feito para fortalecer o engajamento de sua equipe para aumentar a arrecadação do dinheiro da caixinha, da rifa e do pagamento das mensalidades, por meio de um trabalho integrado de todos dos setores – Sintonia, Disciplina, e Financeiro –, além de diminuir a inadimplência e o não engajamento dos irmãos.

Foi essa grana que ajudou Liliane e ainda ajuda outros na mesma situação. Termino com outro trecho d’o cara que era mais ou menos assim:
“Tem muitos aí que reclamam de pagar e contribuir, mas isso não faz parte da ética do crime. Não tem ninguém aqui em cima precisando ou vivendo desse dinheiro, duvido que tenha algum irmão que não tenha sido ajudado ou tenha conhecido alguém que tenha recebido ajuda quando precisou.

Quantas cunhadas e mães não conseguem visitar os filhos e maridos indo com as vans e os ônibus, e de onde vem o dinheiro? Quantos filhos e quantas famílias estariam passando fome e necessidade se não fosse esse dinheiro?

E tem muito irmão que está em liberdade e não quer colaborar, dizendo que está passando dificuldade, mas depois fica gastando dinheiro com as primas e ostentando. Isso não é atitude de bandido que segue a lei do certo, isso é atitude de moleque.

Cadê a liderança para chegar junto? Cadê o Disciplina do PCC? Tá aí só pelo status, é bom cantar de irmão Disciplina do PCC, tem moral em qualquer quebrada mas e aí? Tem medo de cobrar, então sai fora, porque aqui é o Primeiro Comando da Capital.”

Bem, é uma pena que eu tenha acidentalmente apagado este áudio, só lamento; mas a história inteira da Liliane continua registrada no trabalho, é só ir lá e ler.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estatuto do Primeiro Comando da Capital PCC 1533.

VEJA TAMBÉM O ESTATUTO PCC 1997
Revisto e atualizado em 2017.
A Sintonia Final comunica a todos os irmãos que foram feitas algumas mudanças necessárias em nosso Estatuto. O PCC foi fundado em 1993. Comemoramos esta data no dia 31 de agosto de todos os anos, mas 24 anos se passaram e enfrentamos várias guerras, falsos criminosos foram desmascarados, sofremos duros golpes, fomos traídos inúmeras vezes, perdemos vários irmãos, mas graças a nossa união conseguimos superar todos os obstáculos e continuamos crescendo.

Nós revolucionamos o crime impondo respeito através da nossa união e força que o certo prevalece acima de tudo com a nossa justiça, nós formamos a lei do crime e que todos nós respeitamos e acatamos por confiar na nossa justiça.

Nossa responsabilidade se torna cada vez maior porque somos exemplos a ser seguido.


Os tempos mudaram e se fez necessário adequar o Estatuto à realidade em que vivemos hoje, mas não mudaremos de forma alguma nossos princípios básicos e nossas diretrizes,…

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro.

Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola.

Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba, explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha. Foi assim que ficamos sabendo de tudo:

Nepotismo

O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio, ou irmão M, um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros membros. Nem …

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade…
"Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila. ... Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda:
"A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.


Os disciplina…