PCC 1533 — Dados confiáveis em espanhol e inglês



O PCC, Voldemort e os ratos jamais serão vencidos

O português João Pereira Coutinho, certa vez, começou sua crônica da seguinte forma:
“Os defensores dos ‘direitos’ dos animais sempre tiveram um problema: como sentir empatia por criaturas que não fazem parte da nossa paisagem humana?”

Sim, é verdade, posso sentir empatia por um cão ou por um gato, animais que fazem parte da paisagem humana, mas não por seres como ratos e pulgas.

E é sobre esses seres que Coutinho desenvolve seu texto — ou melhor, sobre os defensores desses bichos, se é que pulga é um bicho. Como humanizar aqueles seres que não ficam próximos a nós, e que nos trazem ojeriza? Coutinho pergunta:
“Mas, aqui entre nós, quem estaria disposto a defender publicamente os direitos das ratazanas — sim, ratazanas infectas e repulsivas? [...] As ratazanas vieram para a rua. Passeiam impunemente pelas calçadas.”

Negar a existência para vencer o inimigo

Por muito tempo o governo negou a existência da facção, e, outro dia, quando fui chamado à delegacia para prestar depoimento sobre este site, insistiu-se para que seu título fosse alterado, pois Primeiro Comando da Capital, bem, assustava… assim como Voldemort ou os ratos.

Só que ninguém poderá vencer nenhum deles. Eu e você passaremos, viveremos nossas vidas e morreremos, mas os ratos, Voldemort e o Primeiro Comando da Capital ficarão aí, firmes e fortes, neguemos nós a existência deles ou não.

Não que sejam invencíveis, mas, precisamente por preferirmos não sentir empatia e não conhecê-los, a lenda se perpetua e cresce ao nosso lado. Marcola afirma que para o PCC essa política de fazer de conta que eles não existem ou que são “os inimigos distantes” é favorável, algo como: “não falem bem, mas não falem de mim”.

Antonio Lassance nos lembra a consagrada obra de Nicolau Maquiavel, "O Príncipe". O texto nem chegou a ser escrito em forma de livro, era apenas um manuscrito, e nada indicava que sairia da mediocridade, no entanto, para sua sorte, a Igreja colocou-o na lista dos livros proibidos, o temido "Index Librorum Prohibitorum" — como dizemos hoje kkk!!!


As sombras protegem e fortalecem

Não é de hoje que o que é proibido é mais gostoso, e segundo Antonio Lassance, Maquiavel provou isso há quase meio milênio, e agora o Primeiro Comando da Capital experimenta a mesma sensação — a organização criminosa foi criada no início da década de 1990 e graças às manobras de ocultação do governo e da imprensa, só chegou à internet em 28 de fevereiro de 2001, por meio do repórter Douglas Tavolaro, da Revista Isto É.

Existem aqueles que acham que proibindo ou chamando o PCC de "a organização criminosa que age dentro e fora dos presídios" vão conseguir com isso esconder ou eliminar o problema, e existem aqueles que discordam dessa linha de raciocínio.

Há quem preferira trazer a facção para a luz, sentir empatia e conhecer o que é e quem são seus integrantes, para, assim, criar sistemas que mantenham a estabilidade social enquanto se combate as raízes que sustentam e nutrem as facções criminosas. Este site e o InStight Crime seguem esse raciocínio.

A InSight Crime — Investigation and Analysis of Organized Crime tem uma página específica para artigos, trabalhos e notícias sobre o First Capital Command e sobre o Primer Comando Capital, e me envergonha dizer que ela é melhor do que qualquer outra que tenha encontrado no Brasil.

Se eu tivesse conhecido o trabalho deles antes, eu mesmo acharia que os estou plagiando os caras!!!


Da Torre do Tombo para Bogotá

O português Coutinho me trouxe a base deste texto. Assim como eu, vários brasileiros atravessam o Oceano (mesmo que seja navegando pela internet) para consultar a História do Brasil na Torre do Tombo em Portugal. É, nossa história está lá, e não aqui.

No futuro, teremos que procurar a solução para nosso convívio com o PCC também fora de nossas fronteiras.

Fica a dica para quem quer se aprofundar no estudo sobre as facções criminosas transnacionais: a organização, que tem sede na Colômbia e em Washington, está aceitando estudantes de mestrado ou doutorado para estágio não remunerado, presencial ou a distância.

Onde citei neste site o PCC transnacional → ۞

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos, e saber a sua opinião.

Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto.

Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

Mensagem direta para o autor:

Nome

E-mail *

Mensagem *

última publicação:

Os PMs, o PCC 1533 e o comunismo

PCC 1533 e PM: jamais mornos Existe algo em comum entre os integrantes do Primeiro Comando da Capital e da Polícia ? Sei que você, as...