Pular para o conteúdo principal

PCC não derrubou a taxa de homicídio em São Paulo


Já postei aqui diversos textos, apoiados em trabalhos dos mais diversos mestres, provando por A + B que o Primeiro Comando da Capital é o fator chave na queda das taxas de homicídio no estado de São Paulo, mas tomei conhecimento de um estudo que tentou destruir minha certeza.

Os professores Marcelo Justus, Daniel Cerqueira, Tulio Kahn, Gustavo Carvalho Moreira atentaram contra minha convicção no estudo “The ‘São Paulo Mistery’: The role of the criminal organization PCC in reducing the homicide in 2000s”. A sorte deles é que eu não vou tentar desacreditar o trabalho deles — não vale a pena debater esse assunto.

Claro que não mudei minha opinião! Meio século de vida me ensinou que existem três tipos de pessoas que você não pode contrariar:
  1. os loucos — estes, todos sabem, tem sempre razão;
  2. os extremistas — estes sabem que sempre tem razão; e
  3. o grupo no qual se inserem os quatro professores que fizeram esse estudo.
Bem, nesse caso não existem condições de debate por razões diferentes, do tipo… bem...

... é que na verdade eles sabem sobre o que estão falando, apresentam argumentos sólidos, e provam seu ponto de vista em um primoroso estudo, não deixando arestas para o contra argumento. Claro, posso acusá-los de nazifacistas, coxinhas, ou disponibilizar muito potássio (KKKK), mas só assim poderia me contrapor aos fatos apresentados por eles.
Conheça também a tese de doutorado do Prof. Daniel Cerqueira: “Dois ensaios em economia do crime”.
O cuidado em fincar uma base sólida não impediu que os mestres tratassem com carinho a estética do texto, transformando uma leitura que por sua própria natureza seria enfadonha em algo agradável. Assim, o “mistério” da queda da taxa de mortalidade em 80,9% no estado e a diminuição dos índices em 77,5% dos municípios é desnudado peça por peça.

Para aqueles que, assim como eu, não aceitam fatos e provas que contrariem suas convicções, alerto que o conteúdo desse estudo pode ser ofensivo: segundo eles, uma das causas da maior eficácia do estado na questão da segurança pública seria o crescimento das Guardas Civis Municipais — e isso é quase uma ofensa moral a certos grupos.

Eles afirmam que a Lei do Desarmamento ajudou também a derrubada do número de homicídios. Eu nem discutirei isso, e apesar de disponibilizar um gráfico que demonstra esse fato, eu me solidarizo com você que sabe, baseado em uma sólida convicção abstrata, que a venda de armas para as pessoas de bem deve ser liberada.

Provei aqui através de diversos textos que o Primeiro Comando da Capital é o fator chave na queda das taxas de homicídio no estado de São Paulo, e não esperem que eu diga que estava errado, como também não pedirei que se retratem os que defendem que a Guarda Civil existe só para cuidar do patrimônio público, ou os armamentistas.

Continuemos todos nós dentro de nossas convicções, e chega de ouvir mimimis nazifacistas.

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por deixar seu relato, ele é muito importante para que eu possa corrigir erros e rumos, e saber a sua opinião.

Só serão mantido os comentários argumentativos ou com conteúdo considerado relevante, seja apoiando ou refutando fatos ou ideias do texto.

Se considerar importante alterarei o texto original citando o crédito para o comentarista.

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.