"O futebol é o ópio do povo e o narcotráfico da mídia."(Millôr Fernandes)

PCC vencer impossível controlar talvez


A segurança pública em nosso país sofreu profundas mudanças:
  • intervenção federal no Rio de Janeiro enfraquecendo a facção criminosa Comando Vermelho (CV); e
  • a morte e a prisão das principais lideranças da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC 1533).
“Um dos riscos da intervenção é desarmar o Comando Vermelho, sair em dezembro e deixar o PCC fechar o Sudeste em janeiro. Não há como o interventor resolver esse problema, porque os generais do PCC estão em São Paulo, onde não há intervenção.” — Celso Rocha de Barros

Uma nova realidade sem o Comando Vermelho (CV)

Quem sabe esse será o golpe mortal que aniquilará quem corre pelo lado errado do lado errado da vida?

Mas não, não será assim.

O artigo de Alfredo Moreira Ávila Neto et al., O Gerenciamento de Crise em Rebeliões no Sistema Penitenciário Brasileiro, publicado na Revista Eletrônica Direito e Conhecimento, do Cesmac, Faculdade do Agreste de Arapiraca, me lembrou algo que não pode ser esquecido:

O Comando Vermelho foi fundado em 1979 — no ano que vem fará seu 40º aniversário — e, como o Primeiro Comando da Capital e o Quilombo dos Palmares, sobreviverão ao tempo independentemente do que você, eu, os militares e Celso Rocha de Barros venhamos a acreditar.

O artigo afirma que o CV e o PCC dominam 90% do sistema carcerário brasileiro, e as forças de ocupação federal estão atuando nas ruas, sem tocar no cerne das organizações, protegidas pelas muralhas dos presídios.

“Até depois da última gota de sangue! Tudo 3!”

Há alguns meses fui convidado a comparecer na delegacia para dar explicações a respeito deste site, e a pessoa que me inquiria não se conformava quando eu reafirmava que o Primeiro Comando da Capital jamais seria eliminado. Ana Luiza Almeida Ferro também afirmou que crime organizado no Brasil não será eliminado, mas ao contrário de mim, ela generalizou, e eu que dei nome aos bois.

Ana Luiza afirma: o PCC somos eu e você

Se você duvida, então é só dar uma olhada na obra El cincuentenario de los Pactos Internacionales de Derechos Humanos de la ONU — além do valor das ideias, a composição do texto é primorosa:
“A via jurídica não tem o condão de oferecer soluções mágicas para o controle do crime organizado. [...] Nem tampouco ostentam tal condição quaisquer medidas e estratégias administrativas ou políticas que ambicionem, pelo caminho repressivo, a simples e total erradicação do problema. O crime organizado, como o crime em geral, pode ser controlado, mas não inteiramente erradicado, sob as condições sociais, econômicas, políticas e culturais hoje conhecidas, até porque, mesmo que sistemática e eficazmente combatido, pode até assumir novas feições, sem que tal signifique o seu completo desaparecimento, o que não indica que possamos baixar a guarda, caso algum dia cheguemos a imaginá-lo sob controle, como uma serpente aprisionada, cuja maior parte do veneno haja sido extraída. Porque essa serpente habita em nós. Ela cresce à sombra das próprias estruturas socioeconômicas e políticas de uma cidade, de uma região, de um país, uma imagem refletida no espelho da sociedade.”
Sendo assim, o PCC está em cada paulista, assim como as facções menores, como o CV, estão na alma de suas comunidades. A visão de Ana Luiza me pareceu muito dura, um soco em nossa autoimagem e autoestima, mas concordo com ela.

Como o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital poderiam ser abalados por ações policiais ou militares nas ruas se, como nos lembra o artigo publicado na revista do Cesmac, as facções estão dentro do Sistema Prisional e, como nos conta Ana Luiza, dentro de cada um de nós?

Entender o problema é o primeiro passo.

“Mas, já devo ter mencionado isso aqui em alguma ocasião, sou um otimista. Talvez o último otimista da face da Terra – o que, por sua vez, também é uma afirmação otimista, [...] um caso de weltzschmerz – a incapacidade de confrontar o mundo da mente com o mundo real” Yuri Al'Hanati
O que eu tentei aquele dia dizer na delegacia, e o que Ana Luiza disse com primazia, foi que não adiantam apenas mudanças na política de segurança pública em nosso país, com intervenção militar e a morte e a prisão de lideranças das organizações criminosas — é preciso que tomemos consciência desse tal weltzschmerz citado por Yuri.

Assim, abandonaremos nossas ilusões — e deixaremos de tentar matar o que é imortal e poderemos nos concentrar em dominá-lo e mantê-lo sob controle, começando por nossas atitudes e pensamentos.
"Já devo ter mencionado isso aqui, sou um otimista."

última publicação:

Marcola do PCC e o mito de Frankenstein

Afinal quem seria o monstro? A criatura ou seu criador? Em 15 de agosto de 2011, escrevi meu primeiro artigo sobre o Primeiro Coma...