Pular para o conteúdo principal

Venda de drogas na escola, pode?



O Dri do PCC 1533, a escola e o estuprador


Ao ler o conto “Mundo Novo” revivi o dia no qual Dri da Vertente garantiu seu lugar como companheiro da facção Primeiro Comando da Capital:
A luz do sol não era muito intensa e a tarde já cedia lugar para a noite quando a primeira paulada lhe atingiu o ombro. Ele não gemeu, mas em um gesto que demonstrava dor levou a mão ao lugar atingido. Seu rosto expressava um medo intenso. Tentou fugir, mas o empurravam de volta…
Jota Alves descreve tão bem a cena que parece que estava lá ao meu lado quando o Dri matou o homem acusado de ter estuprado uma menina da comunidade ─ Dri tem 13 anos de idade, mas é maior e mais forte que a maioria dos adultos.

Ele não foi chamado para aquele Tribunal do Crime, mas chegou e pediu para ele mesmo fazer a justiça, o que só depois de muito debate com a liderança foi autorizado, mas o garoto se mostrou à altura da responsabilidade.

Não foi bonito de se ver.

Dri brincou com o cara que, apesar de ser adulto, não era páreo para o garoto. Ninguém ajudou o menino quando o homem tentou revidar. Dri da Vertente poderia tê-lo matado com um só golpe, mas ficou se divertindo: batendo e chutando aqui e ali e rindo.

Dri do PCC 1533 e o filho do polícia


Essa história do isolamento por conta do Coronavírus acabou atrasando o meu lado. Eu estava no Jardim Novo Horizonte para afinar uma sintonia, mas sem fluxo não teve o que fazer, então aproveitei esse tempo para conhecer algumas histórias desse moleque zika.

O esquema do Dri

A polícia já cansou de “dar geral” no garoto que sempre anda acompanhado das garotas tidas como as mais certinhas da escola, mas ele nunca está com nada ilegal, e de vez em quando o Tático ou as Rocans tentam dar um flagrante nos moleques na frente da escola, mas todo o fluxo é feito lá dentro ─ a droga entra na mochila do filho de um policial, que não recebe para isso, mas trabalha de mula só para não apanhar ou morrer.

O Dri do PCC e a diretora da escola


A pequena escola do Jardim Novo Horizonte era nova e até que bem ajeitada, mas quem comanda lá dentro é o Dri e os garotos do tráfico.

A facção PCC 1533 não determina como seus integrantes devem se comportar no ambiente escolar: uns não dão na vista para evitar a presença da polícia, mas outros, assim como Dri, querem aparecer mais que fogos de final de ano, e adoram um confronto.

Há algum tempo assumiu a direção da escola do Jardim Novo Horizonte uma educadora experiente que fez sua fama de enérgica na escola do Central Parque, muito maior e localizada em uma região ainda mais violenta.

Antes de assumir, enquanto todos falavam sobre sua vinda e como enfrentaria o Dri, Idelma conversara com os funcionários da escola traçando uma estratégia de abordagem, e ao entrar como diretora foi para o portão de entrada dos alunos.

Quando Dri entrou, ela chamou o garoto de lado e afirmou de maneira firme:

“De onde venho, você pode vender droga do portão para fora, AQUI dentro, se eu te pegar, te meto em cana.” – contou ela depois para a pesquisadora Ellís Regina Neves Pereira.

O moleque respondeu sem se alterar: “Você morre no dia seguinte. Escolhe”. E seguiu para dentro sem sequer olhar para trás.

O irmão do PCC 1533 e a diretora da escola


Não é verdade que Dri da Vertente é irmão do PCC, mas é um companheiro (na hierarquia da facção, alguém que ainda não foi batizado), e é ele quem controla a venda na escola do Jardim Novo Horizonte, mas aquela é só uma das biqueiras da quebrada.

Idelma não conseguiu parar o fluxo de drogas na escola e, por experiência, sabia que se tentasse acionar a polícia poderia ser pior para ela, para os funcionários e para os alunos.

Passado alguns dias, o irmão que comandava toda aquela quebrada mandou um recado que queria conversar com ela. Idelma aceitou, pensando implantar alí o mesmo acordo que tinha feito no Central Parque: nada de tráfico ou regras do crime dentro da escola.

Minha quebrada, minhas regras


O irmão do Novo Horizonte veio com papo reto:
“Nada vai acontecer com a senhora se a gente cuidar.”

Só que para isso ela não deveria se meter nos negócios dos garotos, a disciplina dentro da escola seguiria como sempre foi, e a escola, mesmo pequena, continuaria nova e até que bem cuidada.

Idelma sabia o que isso significaria, Dri continuaria não só traficando dentro da escola mas mantendo a disciplina, e isso era para ela inaceitável. Ellís Regina contou como a diretora lhe descreveu o que se passou depois que recusou o acordo e a proteção:

“Destruíram a escola, quebraram assim, tipo ‘quero ver, então, se você fica ai!’. Ele ia chegar lá, tipo um inspetor do aluno do tráfico dentro da minha escola? Meu! Você está doido que eu vou deixar alguém entrar aqui para lidar com os meus alunos! Quando não fiz esse ‘tal acordo’ com esse rapaz, a represália foi enorme, enorme! Depredação. Destruição. Parecia que tinha alguém de dentro da escola que falava para eles, então quando a gente comprava material pedagógico, que é uma verbinha no semestre e outra no fim do ano, os caras entregavam de dia e à noite meteram fogo em todo o material, novinho! Teve perícia, teve polícia, e eu passei a madrugada no meio do mato, no escuro, porque ninguém podia mexer no local… deu o quê? Nada! Aí quebraram vidro, quebravam carteira…”

A escola do Novo Horizonte continua nova e pequena, só que não é mais bem cuidada, e após a saída de Idelma ficou sem diretor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.