Pular para o conteúdo principal

Integrante do PCC afirma que não matou em nome da facção

Em 2017 na Cachoeira do Ceuzinho em Campo Grande em Mato Grosso do Sul o corpo decapitado do integrante de Coroa foi encontrado.

Acreditava-se que ele havia sido mais um integrante de facção morto na guerra entre o PCC e o Comando Vermelho.

Kaio, que é companheiro no PCC, no entanto, contou ao Tribunal do Júri que Coroa morreu por ter atacado o menor Tio Patinhas com uma faca por uma dívida de drogas, mas que ele acabou ferindo a filha do garoto.

Pezão, o pai de Tio Patinhas que estava preso pediu para Kaio intermediar entre os dois essa questão, então ele conduziu Coroa para uma cantoneira para um debate.

No fim, Kaio matou coroa com duas facadas no pescoço, Puro Ódio arrancou a cabeça, Nicolas Kelvin colocou o corpo no carro de Henrique Leandro, Pamella só tirou as fotos, Carolina e Denilson limparam o chão e Luan só estava dormindo na casa.

Essa foi a versão dele. Realmente aconteceu o caso da criança ferida, mas o que pegou mesmo seria que Coroa teria trocado a camisa e estava vendendo drogas para o CV e não para o PCC. — reportagem completa na reportagem de Geyse Garnes no Campo Grande News

Para Kaio, no entanto, sua versão que estava vingando a criança ferida a faca não teve o efeito de diminuir sua pena que acabou cravada em 26 anos de prisão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como se faz para entrar como membro do PCC.

Eu não concordei com o velho François-Marie Arouet ao dizer que se olharmos com os dois olhos, enxergaremos melhor: com um olho veríamos as coisas boas, com o outro as coisas ruins. Por isso, segundo ele, seria importante evitar fechar um para abrir bem o outro. Meu velho François, leia com seus dois olhos bem abertos como se pode ingressar no Primeiro Comando e me diga: onde está o lado bom? Eu só conseguir ver o lado negro, mesmo sem ser caolho, por isso vou lhe contar o caso do irmão Cara de Bola. Ele, que era torre do PCC e responsável pela distribuição das drogas na cidade de Indaiatuba , explicou com detalhes como se ingressa na facção, pois caiu em uma escuta ao ligar para o irmão Boquinha . Foi assim que ficamos sabendo de tudo: Nepotismo O irmão X tornou-se membro da facção por ser irmão de sangue do Tio , ou irmão M , um general na hierarquia do Primeiro Comando da Capital forte em em Indaiatuba, na época. Essa é uma das formas de ingresso: sendo parente de outros

Como se faz para sair do PCC?

Se tá de sacanagem né, você acha que o Primeiro Comando da Capital é putaria? Entra quando quer, sai a hora que quer, de boa? Não é bem assim não, se virou crente e quer tirar a camisa, ou tem alguma coisa com tua família... Vou falar pra você, essas são as perguntas que mais aparecem por aqui, e eu falo para procurar o sintonia e trocar ideia, é assim que se faz. Mas por que não escrevi sobre isso antes? Por que eu fico na minha, só que agora fui cobrado, alguém leu no site do Terra que é putaria e acharam que fui eu: Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa", diz um homem por telefone, após ser retrucado por uma mulher investigada: "Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele" PCC decide permitir que integrantes deixem facção Meu, quem falou essa idiotice foi o site Terra que começa mais ou menos assim: "Pela primeira vez desde que surgiu nas prisões paulistas, no início da década de 1990, a organização criminosa Primeir

Quem são e o que fazem os disciplinas do PCC 1533?

Houve um tempo em que eu acreditava em um mundo ideal, onde a polícia defenderia as pessoas com justiça, mas esse tempo acabou. A pesquisadora Deborah Rio Fromm Tinta  também não acredita que a força policial deva impor pela força sua autoridade… "Logo me dei conta que uma rodinha de disciplinas estava por ali também. Fiquei mais tranquila.  ...  Vários pontos de conflito que emergiram foram apaziguados graças à mediação dos disciplinas." O humorista Márcio Américo, que certa época da vida foi um assíduo frequentador do local concorda: "A polícia e a prefeitura apenas fingem ter controle do local, completamente dominado pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), por “propaganda superficial” Deborah Rio, durante o trabalho de campo que fez em 2015 bem na conturbada Cracolândia ela acompanhou de perto a ação dos “disciplinas” do Primeiro Comando da Capital (PCC 1533) que negociaram com traficantes, usuários de drogas, jornalistas, policiais, e autoridades públicas.